Nosso organismo é um gerador de reações e muitas vezes ficamos curiosos para saber por que se produzem algumas delas, como os calafrios.
Para falar desta sensação devemos ver diferentes contextos: o calafrio pode ser uma resposta do organismo por permanecer em um ambiente frio ou pode ser um episódio de tremores associados com palidez, febre e infecções. Neste último caso, os calafrios são frequentes ao iniciar uma infecção.

Deve-se ter em mente que o nosso organismo tem receptores que são responsáveis pela transmissão de estímulos procedentes do exterior do sistema nervoso. Portanto, a sensação de frio chega ao cérebro e, uma vez ali, existe uma glândula endócrina chamada hipotálamo, que é responsável por manter a nossa estabilidade corporal e envia uma resposta ao estímulo apresentado.

Quando chega uma informação do frio do exterior, o nosso corpo pode reagir de diferentes maneiras e uma delas é o calafrio. Portanto, o calafrio é um mecanismo de defesa em que os músculos se contraem de forma involuntária a um ritmo irregular e alta frequência.

A pele “arrepiada” também está associada com a sensação do frio, mas não tem porque estar relacionada com a febre ou os calafrios.
Além de produzirem-se por um ambiente frio, os calafrios podem aparecer em caso de sofrer de resfriados, gripes, meningite, gastroenterite bacteriana ou viral, mononucleose infecciosa, faringite, pneumonia ou infecções do trato urinário, entre outras.

Geralmente, as crianças são as que tendem a sofrer muitos calafrios, já que elas geralmente têm febres mais altas do que os adultos. Os calafrios muitas vezes predizem o aparecimento de febre ou o aumento da temperatura corporal central.

Os calafrios também podem ser produzidos em situações em que entramos em pânico ou sentimos medo, o que implica uma variação de temperatura do corpo.