A groselha é uma fruta pequena, de cor vermelha vivo ou preto, fruto de um arbusto chamado groselha que cresce na Europa (Holanda, Bélgica, Inglaterra e Itália, principalmente) e na Ásia, especialmente em lugares um pouco úmidos, e algumas partes de América.

Muito suculenta e de sabor agridoce, são preferencialmente consumíveis entre agosto e setembro (com um limite máximo de armazenamento de 10 dias), e tem inúmeros benefícios para a saúde e o bem-estar.

Em primeiro lugar, contém um alto teor de vitaminas A, B e C, esta última em maior quantidade inclusive do que os cítricos. As vitaminas A e C, em certa medida impedem as infecções respiratórias e problemas de pele, e a vitamina B proporciona propriedades de proteção dos tecidos e prevenção de diabetes.

Também são ricas em minerais (fósforo, magnésio, ferro, cálcio e potássio) e flavonoides, substâncias que ajudam a reduzir a pressão sanguínea elevada e melhoram a saúde cardiovascular, assim como também possuem propriedades antitumorais.

O seu valor calórico é muito baixo, uma vez que possuem apenas 48 calorias por 100 gramas, sendo grandes aliadas do trânsito intestinal devido à grande quantidade de fibras que contêm.

Protegem os vasos sanguíneos menores, previnem doenças degenerativas da visão e aplicadas sobre a pele, são adstringentes e anti-sépticas, reduzindo a dor e evitando a formação de bolhas em queimaduras.

O ácido málico que elas contêm estimula o metabolismo e a produção de energia. Além de tudo isso, ajudam a eliminar o ácido úrico, possuem propriedades diuréticas e são boas para anemia e artrite.

Como única precaução a levar em conta, embora as groselhas não sejam tóxicas, podem provocar em algumas ocasiões acidez no estômago em pessoas propensas a padecer.

Também se deve ter cuidado um cuidado especial ao coletar frutos silvestres, pois existe uma multidão de frutos muito semelhantes a estes que podem ser tóxicos.