O fígado de peixe tem sido um remédio tradicional para combater a falta de apetite, entre outros problemas. Agora, um estudo realizado por pesquisadores destaca suas utilidades.

De acordo com este estudo, o fígado da anchova é aquele que contém mais destes ácidos graxos benéficos. Este é eliminado durante a limpeza do peixe, como a da grande maioria dos membros desta família zoológica. O único que ainda está em uso é o bacalhau, o qual ocorre com o óleo medicinal conhecido. Muitos estudiosos de laboratórios renomados investigam principalmente em seus trabalhos que os fígados de peixes comestíveis são uma rica fonte de ácidos graxos poli-insaturados de cadeia longa (LCPUFA), especialmente a família Ômega 3, tal como o ácido eicosapentaenóico (EPA) e ácido docosahexanóico (DHA).

Estes ácidos graxos são utilizados para prevenir e tratar várias doenças, tais como alguns tipos de câncer, depressão, doença de Alzheimer, esquizofrenia, transtornos de comportamento e doença cardiovascular. O estudo centra-se em doze espécies de peixes comumente consumidas no sudeste da Espanha, como a pescada, shortfin, sardinha ou pandora.

Leia também: “Ômega 3 DHA – Confirmado os Benefícios da Suplementação de DHA na Função Cognitiva em Idosos“.

Os fígados de peixe-aranha (Trachinus draco) e anchova Europeia ou anchova (Engraulis encrasicolus) são aqueles com o maior teor de compostos benéficos tais, com 51,4% e 47,9% do total dos ácidos graxos, respectivamente. Além disso, todas as espécies apresentam uma relação entre o ômega 3 e o ômega 6 gordo, vantajoso para consumo humano, em especial no caso do fígado do badejo (Micromesistiu poutasou).

No entanto, os pesquisadores lamentam, quando descartado esses fígados estão depreciando todas as suas propriedades nutricionais. Além disso, acrescentou o seu uso também tem reduzido a poluição ambiental que advêm do descarte das vísceras do peixe na água, um problema inerente à indústria de processamento de pescado nas zonas costeiras.

O ômega 3 e ômega 6 são fontes extremamente importantes para a saúde, pois além de contribuírem para o aumento do colesterol bom, auxiliam na diminuição do colesterol ruim. Mas com o avanço da tecnologia tudo ficou mais fácil, pois ao invés de você adquirir esses ácidos graxos pela alimentação, você pode facilmente ingerir cápsulas que podem ser adquiridas em farmácias de manipulação ou em farmácias comuns que já são previamente embaladas em quantidades exatas.

Um complemento alimentar facilmente adquirível e que não pode ser deixado de lado na sua dieta, já que previne diversas doenças em especial àquelas que atingem a região do cérebro como a Doença de Alzheimer e doenças do coração.