O que é falta de desenvolvimento?

Entende-se como tal pelo fato de as crianças não crescerem ou ganharem peso na taxa normal por várias razões.

A altura final (altura para alcançar até de 18 a 20 anos de crescimento) pode ser afetada, mas o importante é o potencial gravidade da causa subjacente.

Para determinar o crescimento adequado das crianças, tendo em conta as diferenças individuais, os pediatras usam uma altura e gráficos de peso sobre os empreendimentos que estão marcados “normal” (de acordo com a distribuição da população) é chamada de percentil.

Se uma criança estiver no “percentil 30” significa que 30% das crianças normais da sua idade serão menores (ou pesava menos) do que ele. Que indica a possibilidade de um problema sério é o seu declínio persistente percentual. A falta de desenvolvimento afeta crianças entre 3-6 meses e raramente mais de 5 anos.

Causas:

70% é devido a uma nutrição inadequada ou de causas ambientais. Cerca de 20% é devido a causas orgânicas (gastrointestinais ou neurológicas).

Os restantes 10% são crianças menores do que o normal, mas que não se enquadram na classificação de problemas de desenvolvimento, diferindo das demais por ficar dentro do percentil original em todo o seu desenvolvimento.

Sintomas:

Habilidades físicas e manuais estão atrasadas para a idade, sentar, andar, falar, auto-alimentação e assim por diante.

Fatores de risco:

Desnutrição.
Inexperiência dos pais.
Clima emocional negativo (pais perturbados, irmãos, etc.).
Doenças crônicas (infecções, AIDS, insuficiência renal, etc.).
Distúrbios genéticos (síndrome de Down e fibrose cística).
Doenças endócrinas (tireoide, hipófise, adrenal, pâncreas e gônadas).
Pobreza (que afeta muitos dos acima).
Deformidades físicas.

Prevenção:

Preparação para a paternidade.
Paternidade responsável e desejada.
As visitas regulares ao pediatra.
Ambiente agradável em casa.

Diagnóstico e tratamento:

Diagnóstico: desenvolvimento de curvas de acompanhamento. Evidências do desenvolvimento psicológico.
Análise de sangue e hormônios.

Tratamento: profissional de ajuda psicológica. Correção de distúrbios orgânicos subjacentes.
Internação se os problemas de alimentação ou problemas de saúde são de suspeita ou maus-tratos (para detectar e tratá-los adequadamente).

Possíveis complicações:

Mental, emocional ou física permanente. Desenvolvimento lento e anomalias.

Prognóstico:

Se a falha é devido à inexperiência dos pais ou de problemas psicológicos, a cura é possível.