O que é fratura?

Fraturas são quebrados, parcial ou total do osso.

No corpo humano existem 206 ossos que se articulam entre si, formam o esqueleto.

Os ossos não são apenas utilizados para a prestação de alavanca e apoio ao nosso movimento, mas também constituem um quadro de proteção dos órgãos sensíveis e sistemas:

  • O crânio e a coluna vertebral protegem o cérebro e a medula espinhal.
  • A órbita envolve e protege o globo ocular.
  • Os defensores da violência e trauma no coração são tórax e pulmões.
  • Ossos, articulações e músculos constituem uma unidade funcional e, neste, o osso tem como principal missão o apoio.

Causas

Os ossos fornecem resistência a todos os tipos de forças que agem sobre ele (compressão, tensão ou torção).

Quando uma delas supera as propriedades elásticas a fratura óssea ocorre.

Se devido a uma força direta, a fratura ocorre no ponto de impacto. Inversamente, se a força é indireta, a fratura ocorre em uma distância.

Baseando-se em seus ossos ou nas proximidades, existem vasos sanguíneos, nervos e órgãos vitais. Portanto, antes de uma fratura deve ter cuidado para evitar mais danos que possam ocorrer ao fazer movimentos desnecessários.

Mesmo quando existem várias maneiras de classificar as fraturas, vamos lembrar que se dividem em:

Fraturas fechadas: a pele ao redor da lesão está cheia, ao ser fechado, protege contra uma possível infecção.

Fraturas expostas: a solução está perdida na pele, onde se podem distinguir-final do osso fraturado ou fazer uma ferida profunda que leva à fratura.

A manipulação da fratura novamente se torna muito importante, pois um movimento errado, além de ser capaz de danificar os vasos e nervos, pode transformar uma fratura fechada em aberta, resultando em danos adicionais.

Sintomas

Os sinais específicos que nos fazem suspeitar de uma fratura são:

A dor severa na área da lesão.

Inchaço ou deformidade, mais evidente nos membros.

Dificuldade ou incapacidade de movimentar a parte lesada.

Também pode ter sinais e sintomas de lesão em outras estruturas, seja por trauma ou pelo osso para mover suas peças:

Colapso (choque) de circulação, à lesão de um vaso maior.

Colapso (choque) afetações neurogênicas da medula espinhal.

Anestesia ou paralisia (ausência parcial da sensibilidade) quando ele viola um tronco nervoso sensorial, ou quando a paralisia motora.

Fatores de risco

Condução (proporcionalmente muitos pedestres sofrem menos fraturas, mas são mais graves quando são atingidos).
Esporte radical ou de contato.
Atividade de trabalho.
Mulheres na pós-menopausa e homens muito velhos, têm uma força muito reduzida nos seus ossos, o trauma tampouco irá causar fraturas graves.

Prevenção

Dirigir com cuidado, usando as nossas melhores defesas (que também é necessário): cinto de segurança e capacete.
Ajuste o encosto de cabeça e dirija com a cabeça apoiada sobre ele.
Respeite os sinais de trânsito e regras de segurança rodoviária, especialmente os limites de velocidade.
Os pedestres devem sempre passar para o tráfego rodoviário esquerda e seguintes, e não confiar nas reações dos motoristas.
As proteções de uso específico ou esporte de contato de risco (capacetes, escudos,…).
No local de trabalho, respeite as instruções de segurança, seguindo os dispositivos de segurança (interruptores, corrimãos,…), use o equipamento de proteção (capacetes, arreios,…) e mantenha a ordem e limpeza no local de trabalho.
Mulheres pós-menopáusicas com extremo cuidado.

Diagnóstico e tratamento

Diagnóstico:
Após qualquer acidente, deve ser considerado, até prova em contrário, que pode ter ossos quebrados.

Suspeitar de uma fratura quando você observa fixo, ângulos incomuns, a falta de simetria (compare os dois), ou incapacidade de movimentar um membro.

Suspeitar de uma fratura, se o acidente com queixa de dor intensa ou apresentar uma lesão grave em uma área óssea.

Se o paciente estiver inconsciente, presumimos que tenha quebrado a cabeça até ser descartado.

As radiografias simples são um excelente método diagnóstico.

Em algumas circunstâncias especiais, deve-se recorrer a outras técnicas de imagem para localizar a lesão, especialmente na pelve, pescoço e cabeça, como o scanner (TC) e ressonância magnética.

Tratamento:
O tratamento de fraturas, que consiste de redução (reposicionamento das peças no lugar) e imobilização, é toda uma especialidade médica, cirurgia ortopédica, e pode ser muito complexa.

Aqui vamos nos concentrar sobre as regras para o paciente inicial, o que facilitará o tratamento definitivo posterior:

Temos de agir com calma, sem expor os feridos ou nós mesmos para um novo perigo.

Suspeitando de uma fratura, deve ser alertado, logo que possível aos serviços médicos.

Tenha em mente que, apesar de uma fratura em uma pessoa jovem exige uma grande força, uma pessoa idosa pode cair ou tropeçar facilmente.

O tratamento deve ser no local onde está a vítima, salvo se houver perigo imediato:

Neste caso, é preciso retirar antes a pessoa lesionada segurando as duas mãos na frente e atrás ou acima e abaixo da lesão, evitando qualquer movimento desnecessário.

Isto será o suficiente para uma detenção provisória enquanto aguarda cuidados.

Possíveis complicações

Dada a vasta gama de possíveis fraturas, é impossível enumerar todas as possíveis complicações.

As mais específicas são:

A embolia gordurosa (fratura de fêmur)
Colapso (choque) neurogênica (back fraturas)
Perda de membros

Prognóstico

Muito variável.