O que é hiperparatireoidismo?

Partes interessadas:
A doença é causada pela produção excessiva do hormônio da paratireoide ou paratiroidea, levando a um enfraquecimento dos ossos e um aumento de cálcio no sangue.

Idade:
Ela ocorre em qualquer idade, mas com frequência cada vez maior a partir dos anos 60, a idade em que eles podem ser afetados até dois de cada mil pessoas, independentemente do sexo, sendo mais frequentes de 30 a 40 anos de idade.

Causas

Hipersecreção de hormônio da paratireoide.
Este excesso pode ser devido a um tumor benigno (adenoma), em uma das quatro glândulas paratireoides (80% dos casos) ou a quatro (15%), é o segundo caso de origem genética e, geralmente, associada com outras anomalias endócrinas.
Este hormônio regula os níveis de cálcio (superior na paratireoide), controlando a deposição e reabsorção do osso na sua excreção, e indiretamente através do metabolismo da vitamina D na sua absorção intestinal.

Sintomas

Mais da metade dos pacientes não notam qualquer sintoma.
Naqueles em que se concentra sobre estes sintomas:

Rins:
As pedras são muito comuns, sendo de composição semelhantes às de outras causas (oxalato e fosfato de cálcio).

Nefrocalcinose pode ocorrer, a deposição de cálcio nos rins.

Ossos:
A lesão típica é osteíte fibrosa, que faz com que as áreas sofram desmineralização.

Reabsorção:

Outras lesões são menos frequentes de falanges distais (ossos das pontas dos dedos). A reabsorção óssea no crânio, resultando no chamado “sal e pimenta” do crânio.

O depósito de cálcio também ocorre em outros órgãos, como artérias, levando ao envelhecimento precoce.

Outros sintomas incluem:

  • Fraqueza muscular e fadiga.
  • Distúrbios digestivos.
  • Ataques de “gota” pseudo (semelhante à queda, mas não ácido úrico).
  • Constipação.
  • Alterações no ECG.

Quando os níveis de cálcio são muito altos, há uma crise hipercalcemia com nível de consciência e risco de parada cardíaca.

Fatores de risco

A história da família.
O tratamento com sais de lítio.
Desidratação.

Prevenção

Não há meios de prevenção de defeitos genéticos (sem testes de triagem).
Em outros casos, o monitoramento da concentração de cálcio durante o tratamento com lítio.

Diagnóstico e tratamento

Diagnóstico:
O diagnóstico é feito pela clínica.
Exames de sangue para confirmar, incluindo cálcio, fósforo e paratormônio.
Para avaliar o grau de envolvimento pode ser necessário eletrocardiograma, raios-X de ossos e densitometria óssea.

Tratamento:
Nos casos sem a participação (especialmente renais), com 50 anos, o tratamento é expectante.
Em casos sintomáticos, a solução é cirúrgica.

Medidas gerais:
Beba muita água, isso vai evitar o acúmulo de cálcio nos rins.

Medicação:
Seu médico pode prescrever suplementos de vitamina D, se necessário.

Atividade:
Sem restrições.

Dieta:
Sem restrições, beba muita água.

Informe o seu médico se:
Sentir alterações do ritmo cardíaco, fraqueza muscular ou ficar desidratado realizando exercícios (quente ou extenuante sem a ingestão de líquidos).

Possíveis complicações

A crise da paratireoide pode ser fatal.
A deposição de cálcio pode levar à insuficiência renal.
A perda óssea pode levar a fraturas patológicas.

Prognóstico

Com a cirurgia a cura é alcançada, se durante esta forem removidas todas as glândulas ampliadas, em quase todos os casos.