A glutamina e o ácido glutâmico não são os mesmos, mas estão estreitamente relacionados. Ambos são aminoácidos considerados não essenciais, ou seja, o organismo pode sintetizá-los por ele mesmo. Têm estruturas semelhantes e desempenham papeis importantes nas funções do organismo.

Ácido Glutâmico

O organismo pode sintetizar o ácido glutâmico através de outros aminoácidos, tais como arginina e ornitina. O ácido glutâmico é um componente do ácido fólico, do ácido gama-aminobutírico (GABA), glutamina e glutationa, um potente antioxidante. O ácido glutâmico, também é conhecido como glutamato. O ácido glutâmico atua como um neurotransmissor no cérebro.

A maioria das estruturas cerebrais que produzem a transferência de informação de um neurônio para outro, as sinopses, utilizam o ácido glutâmico como substância transmissora. O ácido glutâmico aumenta a função cerebral e a atividade mental. Também se liga aos átomos de nitrogênio no cérebro e desintoxica o cérebro do amoníaco. Esta ação é a única maneira do cérebro se desintoxicar do amoníaco.

O ácido glutâmico também contribui com o transporte de potássio através da barreira sangue-cérebro. O ácido glutâmico, também se mostra promissor no tratamento futuro de doenças neurológicas, tais como a distrofia muscular, a epilepsia e o Parkinson. O ácido glutâmico é também usado no corpo, para equilibrar o nível alcalino, e é um bloco de construção para RNA e DNA.

Alimenta células intestinais, e é utilizado pelas células brancas do sangue, que são importantes para a função imunológica. O ácido glutâmico também desempenha um papel no metabolismo de açúcares e gordura e na síntese de proteínas musculares.

Glutamina

A glutamina é classificada como um aminoácido não essencial, o que significa que o corpo é capaz de sintetizá-lo quando necessário. Todas e cada uma das células do corpo utilizam a glutamina e este representa o aminoácido mais abundante no plasma e no músculo esquelético. A glutamina é um substrato importante para a produção renal de amônia, assim como da ureia e da gluconeogênese hepática, e desempenha um papel fundamental na regulação da síntese de glicose no fígado e produção de proteína muscular.

A glutamina se converte em glicose quando o organismo necessita de mais glicose para produzir energia. A glutamina pode também promover a retenção de nitrogênio (um balanço positivo de nitrogênio) e prevenir a perda de proteína muscular. A glutamina é também a molécula que fornece energia para as células mucosas da parede intestinal, pâncreas e outros tecidos de crescimento rápido e desempenha um papel decisivo nos processos metabólicos associados com a recuperação.

Além disso, é essencial para a atividade dos leucócitos, linfócitos e macrófagos, por conseguinte, desempenha um papel essencial para o bom funcionamento do sistema imunitário.

Conversão de Ácido Glutâmico em Glutamina

O ácido glutâmico e a glutamina são aminoácidos intercambiáveis, o que significa que cada um pode ser convertido em outro de acordo com as próprias necessidades do organismo.

Ambos os compostos possuem uma cadeia de base semelhante de moléculas; a glutamina tem um grupo amida, enquanto o ácido glutâmico tem um grupo hidroxilo ligado à cadeia.

Um estudo publicado no “The Journal of Health” mostrou um diagrama que mostra a adição de um grupo amida ao ácido glutâmico para formar glutamina, e a excisão de um grupo amida da glutamina para a produção de ácido glutâmico. Dependendo da energia e enzimas disponíveis, o corpo pode fazer uso de qualquer destas substâncias em função das demandas do organismo.

No organismo, o ácido glutâmico pode ser parte de várias proteínas do corpo ou pode funcionar como aminoácido livre, o qual participa ativamente no chamado ciclo da ureia por meio do qual o corpo converte amônia (um dos mais ativos venenos químicos naturais) em ureia. O primeiro passo deste importante ácido corporal é a reação do ácido glutâmico com o amoníaco, o qual dá lugar à produção de glutamina, uma substância de amida de ácido glutâmico, que também impede a toxidade por acumulação de amoníaco no organismo, pode atravessar a barreira sangue/cérebro e chegar a este órgão onde será de novo convertida com rapidez em ácido glutâmico.

Suplementação

Muitos suplementos, especialmente os shakes de proteína incluem o ácido glutâmico no lugar da glutamina como é o caso EVOWHEY. Embora o ácido glutâmico não seja exatamente a glutamina tem uma taxa de conversão de glutamina enorme. Então, tomar ácido glutâmico é equivalente a tomar L-Glutamina e sua inclusão na dieta é essencial para desintoxicar o organismo de amônia, promovendo o crescimento muscular, ajuda a prevenir o catabolismo muscular, promove a síntese de glicogênio e hepática e aumenta a energia, acelera a recuperação e melhora o sistema imunológico.