Tem sido demonstrado que a betaína possui benefícios potenciais para combater a doença cardíaca, melhorar a composição corporal e ajudar a promover o aumento muscular e a perda de gordura, devido à sua capacidade para promover a síntese de proteínas no corpo.

O Que é Betaína?

A betaína, ou também conhecida como Trimetilglicina, trata-se de um derivado da colina, ou seja, a colina é um precursor da betaína, que a sintetizará junto ao aminoácido glicina.

O nome de betaína procede do primeiro alimento onde foi isolada, ou seja, a partir da beterraba, e do latim Beta vulgaris.

A betaína é um nutriente não essencial e uma fonte de ácido clorídrico, uma substância química que surge, naturalmente, no estômago, que decompõe as gorduras e as proteínas. É necessária para o metabolismo (absorção) de proteínas, cálcio, vitamina B12 e ferro.

Sua principal característica é que se trata de uma substância “doador de metilo”: este tipo de moléculas podem transferir para um grupo metilo, isto é, uma agrupação atômica constituída por um carbono ligado a três átomos de hidrogênio (CH3).

Para Que Serve a Betaína?

Síntese de Creatina. A betaína se destaca principalmente no processo de metilação do aminoácido homocisteína, para obter a forma de metionina, aminoácido que presta um papel-chave na síntese de creatina.

A produção de creatina, substância tripétida que contribui para fomentar a força e resistência muscular, pode se ver amplificada devido à betaína.

Leia também: “Benefícios da Creatina“.

Regula o Equilíbrio de Hídrico Celular. Atua de maneira muito similar a creatina, dado que a betaína é um composto osmólito, o que indica que essencialmente seu objetivo é manter o equilíbrio hídrico da célula. Isso também é de vital importância porque os desequilíbrios de fluidos podem ocasionar a morte das células, devido ao fato de que as drásticas variações sejam por se encolher muito ou por inchar até o ponto de ruptura.

Fase de Tradução na Síntese de Proteínas. A metionina também atua no processo de síntese de proteínas, especificamente na fase de “tradução”, de modo que, sim, se existem mais presença de metionina disponível no processo, a síntese de proteínas aumentará, e, portanto, os ganhos de força e massa muscular.

Reduzir Níveis de Homocisteína. A betaína possui um efeito regulador para estabelecer níveis saudáveis de homocisteína. Este tipo de aminoácido é um subproduto resultante da digestão de carne, peixe, lacticínios e outras fontes de proteínas animais. Tal como ocorre com o colesterol, à homocisteína é necessária para o corpo. No entanto, a presença de níveis mais elevados do que os normais derivará em uma série de complicações que afetarão a saúde.

Excesso de Homocisteína:

  • Danos no revestimento interno das paredes dos vasos sanguíneos.
  • Aumenta a oxidação do colesterol LDL, aumentando o risco de que se deposite nas paredes dos vasos sanguíneos.
  • Crescimento do tecido dos músculos lisos, o que provoca o estreitamento dos vasos sanguíneos.
  • Induz ao estresse oxidativo ao reduzir a capacidade dos vasos sanguíneos para se expandir e contrair.
  • Aumento da formação de coágulos de sangue, o que pode derivar em um sério risco de sofrer um ataque cardíaco.

De acordo com pesquisas médicas, níveis insalubres de homocisteína poderiam representar um significativo risco de sofrer: ataque cardíaco, acidente vascular cerebral, doença de Alzheimer, osteoporose, ou formação de coágulos.

A deficiência de betaína é um sintoma muito comum, já que uma grande quantidade está presente nos alimentos, especialmente em produtos derivados do trigo. Mesmo assim, a condição que lhe é atribuída para que possa existir uma falta desta, e comprometer os níveis de homocisteína no sangue, seria devido a fatores ambientais, alimentares e/ou genéticos. Supõe-se que as pessoas com mais de 50 anos, aquelas que tenham sofrido de problemas com o álcool, ou crianças com certas condições genéticas podem desenvolver problemas a este respeito.

Benefícios da Betaína:

Reduzir o Risco de Sofrer Doença Cardiovascular. Como nós pudemos ver anteriormente, a capacidade da betaína, tal por sua faceta de doadora de grupos metilos, para reduzir os níveis de homocisteína no sangue é bastante considerável, sendo esta substância reduzida para a inofensiva metionina.

Assim, é reduzido o risco de produzir acumulação de plaquetas nas paredes arteriais, com a subsequente formação de coágulos.

Apoio Para a Função Hepática e a Digestão. Qualquer digestão requer que o meio seja ácido (estômago) para realizá-la corretamente. Se tal nível de acidez não é suficientemente alto, o organismo não será totalmente capaz de digerir os alimentos em nutrientes (decompor em cadeias moleculares), e ser posteriormente absorvidos.

Isso costuma ser um motivo de deficiências nutricionais em uma parte da população, aumentando o risco de sofrer doenças associadas.

O tipo de ácido que consegue permitir que o estômago faça a digestão sem dificuldades se denomina ácido clorídrico (HCl). Por isso, o tipo de betaína utilizada para facilitar as digestões é a betaína clorídrica, elevando rapidamente os ácidos estomacais, e aliviando os problemas gastrointestinais.

Melhorar o Rendimento Esportivo e a Composição Corporal. De acordo com estudos, a betaína pode ajudar o atleta a melhorar o seu rendimento, aumentar a força e aumentar a resistência muscular. Uma das principais razões é elevar a produção de óxido nítrico, um potente vasodilatador que gera o organismo antes dos seus precursores, e leva a gerar um melhor transporte de nutrientes, tais como aminoácidos, e oxigenar os tecidos musculares.

Por outro lado, você pode aperfeiçoar a eficiência da produção energética, sendo também melhorado o VO2max, especialmente em atletas experientes.

Estes efeitos serão refletidos no fato de que o atleta levará mais tempo para alcançar a fadiga diante de um mesmo esforço a uma elevada intensidade.

Leia também: “L-carnitina: O Que É, Para Que Serve e Contraindicações“.

Como Tomar a Betaína?

Em função do objetivo, é preciso ajustar a dose:

  • Reduzir níveis problemáticos de homocisteína e promover a correta função hepática: ingerir, pelo menos 500 mg por dia.
  • Danos hepáticos: 1000 – 2000 mg até três vezes por dia.
  • Melhorar a digestão: entre 500 – 2000 mg por dia.
  • Melhora do rendimento atlético, e apoiar a melhoria da composição corporal: 1000 – 6000 mg por dia.

A betaína costuma ser ingerida com ácido fólico e vitamina B6 e B12.

Com Que Combinar a Betaína?

A betaína costuma ser um dos ingredientes nos suplementos pré-treinamento, dadas as suas condições de melhorar o rendimento atlético.

Se você optar por combinar a betaína com outros suplementos, os mais propícios para o caso serão, dadas as suas características para aperfeiçoar o desenvolvimento atlético:

  • Cafeína
  • Beta-Alanina
  • Citrulina malato

Efeitos Colaterais da Betaína:

Em pessoas saudáveis, não é frequente que a betaína cause nenhum efeito secundário. No entanto, um reduzido setor, pode chegar a experimentar alguns sintomas, como diarreia ou náuseas.

Doses superiores em vários gramas diários produzirão que tanto o hálito como o suor, tenha um odor de peixe, devido aos processos de metilação. A suplementação conjunta de 200 mg de riboflavina (vitamina B2) eliminará esta circunstância.

Antes de começar a suplementação com betaína, e mais, se você já sofreu ou toma medicação a respeito de problemas cardíacos ou hepáticos, deveria consultar o seu médico.