O número de pessoas com diabetes no mundo sobe para 366 milhões, 30% mais do que o registrado no ano passado, de acordo com o que foi revelado terça-feira (25/10/2011) por vários estudos internacionais que alertam para os fatores de risco como a obesidade, incluindo determinantes da doença.

No ano passado o número de pessoas afetadas pelo diabetes no mundo atingiu 285 milhões e os gastos com saúde chegaram a um número estimado de 465.000 milhões de dólares.

Diabetes mellitus pertence a um grupo de distúrbios metabólicos que são tratáveis, afeta diferentes órgãos e tecidos e é caracterizada por níveis aumentados de glicose no sangue.

Na Argentina, o Diabetes Society (DS) disse que o país não é exceção à regra e a mais recente Pesquisa Nacional de Fatores de Risco para o Ministério da Saúde mostrou que 10% da população adulta sofre com essa esta doença na Argentina.

A pesquisa mostrou que o consumo reduzido de frutas e legumes aumentou a obesidade, sedentarismo, hipertensão, todas as doenças relacionadas ao diabetes.

Das pessoas com diabetes, a maioria, 90% têm o tipo 2 (que não necessita de insulina para viver), e desse grupo, quase todos têm algum grau de obesidade pelos alimentos.

Olga Ramos, chefe honorária da Unidade de Nutrição e Diabetes, disse que “a alimentação dos argentinos é baseada em carne e excesso de amido, como massas, arroz, batatas, pão e queijos”.

A nutricionista disse que “a carne vermelha é necessária para prevenir a anemia e contribui para a formação e restauração dos tecidos”, mas disse que “também pode ser substituída por outras proteínas de origem animal que servem para a mesma função”.

O levantamento do Ministério da Saúde concordou que a obesidade na Argentina é um dos flagelos que mais aumentou em comparação com outros fatores de risco cardiovascular.