As pessoas baixas têm maior risco de sofrer doenças cardiovasculares do que pessoas mais altas, de acordo com um estudo publicado esta semana no European Heart Journal, a revista da Sociedade Européia de Cardiologia.

A pesquisa, conduzida na Universidade de Tampere, na Finlândia, analisou dados de mais de 52 relatórios sobre a altura e o risco de ataques cardíacos que aconteceram em todo o mundo nas últimas décadas e que envolve mais de três milhões de pessoas.

Ao longo dos estudos, os cientistas classificaram os homens baixos como aqueles que mediam menos de 1,65 metros, uma classificação que se reduziu para 1,53 nas mulheres. Por outro lado, os considerados altos eram os homens que mediam mais do que 1,77 e as mulheres que superavam 1,64.

Assim, os pesquisadores concluíram que a baixa estatura na vida adulta confere um risco de morbilidade e mortalidade cardiovascular, 1,5 vezes maior que o de pessoas altas. No entanto, dada a variedade de estudos não conseguiram identificar uma altura crítica que aumenta o risco de problemas cardíacos.

Uma possível explicação para este fenômeno é que as pessoas baixas têm as artérias coronárias menores, o que facilita a obstrução dos vasos sanguíneos. Especialistas pedem mais estudos para confirmar esta relação entre altura e alterações cardiovasculares.