A maioria das pessoas têm sofrido, em alguma ocasião, de queimação e acidez estomacal.

No entanto, apenas quando este ácido sobe para o esôfago, o tubo muscular que conecta a garganta e o estômago, é que se apresenta o refluxo gastresofágico.

Esta situação é causada pelo mau funcionamento da válvula muscular localizada na parte inferior do esôfago (chamada esfíncter esofágico inferior).

Este existe a fim de manter o alimento e os líquidos no estômago, mas quando não se fecha completamente, provoca que estes juntamente com os ácidos responsáveis pela digestão subam até o esôfago.

É importante observar que algumas pessoas que sofrem de refluxo têm hérnia hiatal.

Com esta condição, a porção superior do estômago, se move até o peito através de uma abertura no diafragma, a banda muscular que separa o tórax e o estômago.

A hérnia de hiato afeta o funcionamento do esfíncter esofágico inferior e permite que o ácido e outros conteúdos do estômago subam para o esôfago, causando o refluxo.

Alguns sintomas comuns de refluxo são:

  • Acidez, forte sensação no peito e abdômen logo após comer, deitar ou inclinar-se.
  • Dor tão forte no peito que pode se pensar estar tendo um ataque cardíaco.
  • Ardor na garganta, aperto, dor ou rouquidão (especialmente ao acordar).

Remédios Caseiros

  • Coloque uma colher de sopa de camomila em 1 copo de água que está fervendo. Cubra e deixe esfriar. Tome 3 vezes ao dia, de preferência um antes de cada refeição. Este remédio alivia as membranas mucosas inflamadas ou irritadas do trato digestivo e promove a digestão normal.
  • Ferva 1 colher de chá de gengibre fresco ou ¼ de colher de chá de gengibre em pó em um copo de água por 5 minutos. Cubra, deixe esfriar e tomar uma xícara antes de cada refeição.
  • Mastigue tabletes de raiz de alcaçuz em forma deglicirrícinada (não eleva a pressão arterial nem causa retenção de água, como é o alcaçuz), que se vendem em algumas farmácias botânicas. Esta erva protege o esôfago através do aumento da produção de mucina, substância que forma uma barreira protetora contra o ácido gástrico. No entanto, não deve ser tomada em caso de hipertensão, doença renal ou cardíaca que requeiram o uso de digitálicos. Qualquer utilização de alcaçuz deve ser acompanhada por uma dieta de baixo teor de sal e não deve durar mais do que quatro a seis semanas.
  • Ferva por 10 minutos um punhado de folhas de repolho em um litro de água. Após esse tempo, retire do fogo, escorra e deixe esfriar. Tome esta preparação ao longo do dia.
  • Misture 1 colher de chá de bicarbonato de sódio em um copo de água à temperatura ambiente e tome ao primeiro sinal de dor ou queimação. Porque o bicarbonato de sódio contém uma grande quantidade de sal, não é recomendado o seu uso em caso de hipertensão ou retenção de líquidos. Da mesma forma, o uso excessivo e prolongado pode causar prisão de ventre ou pedras nos rins.
  • Mastigue chiclete sem açúcar. Segundo uma pesquisa realizada, 70% dos participantes que mascaram este tipo de chiclete obtiveram alívio da azia e do refluxo devido ao aumento da saliva e seu benefício no estômago.
  • Adicione plantas digestivas como alecrim, sálvia, louro e tomilho nas refeições diárias.
  • Consuma diariamente uma fatia de mamão especialmente de manhã. O mamão contém papaína, uma enzima que auxilia a digestão das proteínas.
  • Ferva três colheres de chá de casca de olmo em 1 xícara de água por 5 minutos. Retire do fogo, tampe e adicionar uma pitada de canela. Tome uma xícara antes de cada refeição.

Recomendações

Coma menos, mas com mais frequência (cinco vezes por dia).

Mastigue os alimentos sem pressa e de forma relaxada para evitar a inflamação estomacal e a pressão.

Coma alimentos leves (não abundante nem gorduroso) pelo menos 3 horas antes de ir para a cama e não belisque na hora de dormir.

Evite alimentos desencadeantes. Alguns alimentos e bebidas desencadeiam o refluxo gastresofágico favorecendo a secreção de ácido gástrico ou relaxando o esfíncter esofágico inferior. Por isso, se recomenda evitar bebidas alcoólicas, café, chocolate, frutas e sucos cítricos, bebidas com cafeína, refrigerantes, alimentos gordurosos e fritos (batatas fritas, hambúrgueres, ovos, leite integral, donuts), menta ou hortelã (nem mesmo balas para o hálito e creme dental com sabor de menta), alimentos picantes, alho, cebola, pimentões, tomates nem alimentos à base de tomate (suco de tomate, ketchup, molho de tomate, pimentão e pizza).

Não inicie as refeições consumindo amidos. Ao sentar-se para comer, não comece com um pedaço de pão ou de batata (pode causar uma sensação dolorosa de estar “cheio” e iniciar os soluços). O melhor é comer alguns legumes ou carne.

Emagreça, se você tem excesso de peso. Segundo estudos realizados, o sobrepeso dificulta o esfíncter inferior do esôfago de permanecer fechado, o que contribui para o refluxo ácido.

Se for esse o caso, é aconselhável iniciar uma dieta adequada e um programa de exercício para perder os quilos extras.

Não beba álcool, já que são muito irritantes, por isso dificultam a digestão e favorecem o aparecimento da azia e do refluxo.

Não fume. A nicotina estimula a produção de ácido estomacal e relaxa os músculos entre o esôfago.

Estar na posição vertical especialmente depois de comer. Se você encontra-se deitado de costas depois de comer existe mais risco de refluxo, pois essa posição favorece a subida dos ácidos. Por esse motivo, é preferível permanecer sentado por 45 minutos após a refeição.

Se isso acontece durante a noite, recomenda-se levantar 20 cm da cabeceira da cama.

Evite fazer exercício imediatamente depois de comer. Se você se exercita com o estômago cheio, é provável que aumente a probabilidade de sofrer de azia e de refluxo.

Revise os medicamentos que você está tomando. Existem alguns medicamentos, incluindo a aspirina, anti-inflamatórios, tratamentos hormonais ou medicamentos para combater a insônia que podem irritar o trato digestivo e causar o refluxo gastresofágico. Em caso de dúvida, consulte o seu médico.

Não use roupas apertadas, especialmente na hora de comer. Cintos, meias, cuecas e calças ajustadas pressionam o estômago e fazem com que o ácido estomacal suba. Por essa razão, é recomendado ao usar um cinto, não apertá-lo ao máximo e deixar alguns centímetros de folga.

Evite o estresse. A redução do estresse ajuda algumas pessoas com refluxo. Por isso, se recomenda praticar a meditação, yoga ou respiração profunda, e fazer exercício físico regularmente, como caminhar rápido, nadar ou andar de bicicleta.

Consulte um médico se, apesar dos remédios naturais e recomendações acima expostas, não foi possível solucionar o problema de refluxo e este se mantém de forma persistente e prolongada ou se repete com freqüência, já que você pode desenvolver uma úlcera ou até mesmo um câncer de esôfago.

Também é possível a ocorrência de pneumonia ou bronquite, quando o ácido estomacal tem um refluxo e chega aos pulmões da traquéia, normalmente durante o sono. O refluxo também destrói o esmalte dos dentes quando o ácido do estomacal chega à boca.