Nos últimos anos, muitos estudos científicos questionaram a concentração de uma substância química chamada bisfenol A, que está presente em muitos tipos de recipientes do nosso uso diário e foi considerado “seguro” para a saúde humana.

Dada uma prova das agências de liderança na área, a Agência de Proteção Ambiental (EPA, de acordo com sua sigla em Inglês) o Governo dos Estados Unidos convocou uma comissão de peritos para avaliar o rigor científico dos trabalhos publicados sobre o tema.

Um estudo realizado por um grupo de cientistas da Faculdade de Bioquímica e Ciências Biológicas na Universidade Nacional Litoral (UNL), Santa Fé, Argentina e a Faculdade de Medicina de Tufts, em Boston, tem atraído a atenção das autoridades dos Estados Unidos.

O estudo concluiu que o bisfenol A, é liberado quando é feito o aquecimento do alimento com alguns desses recipientes de plástico, como garrafas, no microondas ou em banho-maria, podendo causar tumores graves.

A pesquisa foi publicada recentemente e comentada pela prestigiada revista de saúde.

Em adultos, a exposição ao BPA (bisfenol A) não é prejudicial. Mas o feto durante a gravidez e os recém-nascidos são muito mais sensíveis. Esta etapa é fundamental para o desenvolvimento, crescimento e diferenciação de órgãos e tecidos.

Para mais informações sobre o efeito do plástico na saúde, recomendamos a leitura do artigo “Plásticos e Detergentes Afetam a Saúde Reprodutiva Masculina”.