Médicos na Espanha informaram que concluiram com êxito o primeiro transplante facial no mundo, em uma operação que durou 24 horas e teve a participação de uma equipe de mais de 30 profissionais.

A cirurgia foi realizada no final de março no Hospital Universitário Vall d’Hebron, em Barcelona, mas só agora foram liberados os detalhes.

O paciente é um jovem que não podia respirar, engolir ou falar normalmente depois de ter sofrido um acidente de trânsito há cinco anos, tornando-o dependente do equipamento de respiração artificial e equipamentos para se alimentar.

Os Médicos Explicam Como a Cirurgia Foi Feita

Durante a cirurgia recebeu novos músculos faciais, além de pele, nariz, bochechas, lábios, mandíbula e dentes.
A equipe de médicos que realizou a operação foi conduzida pelo Dr. Joan Pere Barret.

A intervenção consistiu em um processo complexo que combina técnicas de reconstrução neurovascular e micro-cirurgia plástica. Era preciso restabelecer a veia jugular, adaptar os ossos do doador para o rosto do paciente e anexar os vasos sanguíneos e toda a musculatura.

Depois de várias semanas após a operação, houve a melhoria do jovem.
Segundo o jornal “El País”, o jovem se olhou no espelho uma semana após a cirurgia e disse estar satisfeito com o resultado.

Primeiro Transplante Facial Completo na Espanha

Antes da cirurgia

Até agora, foram realizados dez transplantes de face em todo o mundo. No entanto, o Hospital Universitário Vall d’Hebron, disse que estas intervenções tinham sido apenas parciais, e não no rosto todo.

A equipe médica responsável pela operação disse que o novo rosto do paciente parecia igual ao de antes do acidente e não o do doador anônimo.

Mais cedo, o menino tinha sido operado nove vezes sem sucesso em outro hospital. Após avaliar o caso, os funcionários do hospital avaliaram se o jovem era um candidato adequado para um transplante de rosto completo.

Então colocou o paciente em estudos psicológicos para garantir a sua capacidade de fazer face aos riscos operacionais e com um lado diferente após a intervenção.

Passo a passo

Segundo o hospital, a cirurgia envolveu três etapas:

    • Remoção de enxertos de doadores
    • O primeiro passo foi reproduzir o rosto do paciente para substituir os tecidos que tinha sido removidos.
    • Em seguida, os tecidos moles da face, incluindo as veias e artérias, foram extraídos e identificados nervos motores e sensoriais para atingir as estruturas ósseas que tinha de ser transplantadas.
    • Então, as estruturas ósseas foram removidas.
    • O enxerto foi preservado imediatamente, a fim de mantê-lo em boas condições para a transferência para a sala de cirurgia onde o paciente foi preparado para a cirurgia.
    • Transplante
    • A operação começou com a identificação do destinatário das artérias e veias, seguido de revascularização do aloenxerto facial.
      Era necessário para testemunhar a vitalidade do enxerto, tais como o fluxo sanguíneo completo e qualquer tipo de rejeição.
    • Após o desvio para circular o sangue, as estruturas receptoras deformadas foram removidas e submetidas a osteossíntese ou de reconstrução da mandíbula, queixo, nariz e bochechas (com placas e parafusos).
    • Foram, então, suturadas áreas posteriores (mucosa) e os músculos. Finalmente, os nervos foram conectados e a cirurgia terminou com a sutura da pele.
    • A fase pós-operatória
    • Nesta fase, a equipe do hospital deve assegurar que o paciente está evoluindo favoravelmente.

O jovem deve permanecer lá por dois meses, embora a duração da sua estadia dependerá da sua evolução.
Depois de deixar o centro de saúde, passará por rigorosos exames médicos, que durarão pelo menos, quatro meses.

Avanço Científico

O professor Peter Butler, chefe da equipe de pesquisa no transplante de face do Reino Unido, que tem se preparado para uma intervenção similar há meses, recebeu a notícia da operação, dos seus homólogos espanhóis.

“Parabenizamos o Dr. Barrett e sua equipe na Espanha, para o que pode ser a operação de transplante facial mais complexa a nível mundial hoje”, disse.

Butller também referindo-se a importância desta intervenção. “Isso mostra mais uma vez como o transplante facial pode ajudar um grupo específico de pessoas com graves lesões no rosto, para quem a cirurgia reconstrutiva não funcionou e para quem a qualidade de vida é indescritivelmente ruim”.

“Essas pessoas têm uma vida terrível, especialmente porque elas passam trancadas e escondidas da vista do público, que as consideram como se tivessem doenças. Além disso, elas nunca vêem beleza em sí próprias e sua auto-estima fica muito baixa”, disse ele.

A operação do espanhol é a décima primeira desse tipo realizada no mundo. A primeira foi praticada com uma mulher francesa, em 2005, depois de ter seu rosto completamente desfigurado após ser atacada por um cão.