O Óleo de Prímula é um daqueles produtos naturais que estão sendo usados ​​cada vez mais graças a suas propriedades terapêuticas e curativas contidas nesse incrível óleo. Utilizado para uma variedade de transtornos, doenças ou indisposições.

De onde Vem o Óleo de Prímula?

O óleo de prímula é obtido a partir das sementes que são submetidos a prensagem a frio de uma planta nativa para da América do Norte que é conhecida pelo nome de prímula veris ou cowslip. Embora seja utilizada há séculos por suas propriedades medicinais e curativas naturais, nos últimos tempos, que se tornou-se moda como suplemento alimentar. O óleo de prímula contém um grande número de propriedades para a saúde. No entanto, devemos levar em conta, como acontece com outros medicamentos naturais e suplementos alimentares, que nunca podem substituir um tratamento com medicamentos estabelecido por nosso médico, e que antes de qualquer tipo de doença, devemos sempre ir ao nosso médico.

Propriedades do Óleo de Prímula

Este óleo é muito rico em ácidos gordos essenciais poli-insaturados, essenciais para o funcionamento adequado de células do corpo, o desenvolvimento do sistema nervoso, hormonal e regulação dos processos de coagulação. Estas propriedades benéficas têm levado um número crescente de usuários. Embora seu uso é seguro para a maioria das pessoas, é importante sempre consultar um especialista para o consumo.

Algumas das doenças e enfermidades que poderiam se beneficiar das propriedades de óleo de prímula são:

  • A osteoporose.
  • Os sintomas da síndrome pré-menstrual
  • A dor mamária (mastalgia).
  • O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade.
  • Reduzir os sintomas da dermatite atópica (eczema).
  • Ondas de calor causada pela menopausa.
  • A síndrome da fadiga crônica.
  • A artrite reumatoide.
  • Evitar complicações durante a gravidez.
  • Câncer.
  • Combate Acne.
  • As doenças cardíacas.
  • O colesterol alto.
  • Alzheimer

Deve se ter em mente que não é comprovado sua eficácia em alguns casos.

Atenção, as sugestões encontradas nesse artigo não possuem base científica comprovada, sendo assim não devem ser substituídas, em hipótese alguma, por um tratamento médico convencional e/ou ao seguir essas sugestões, os sintomas ou condições a que esse artigo se propõem ajudar podem se agravar.