"Quando o assunto é gordura logo pensamos em eliminá-la da dieta ou restringir o seu consumo ao mínimo possível, mas embora a gordura seja vista como algo somente prejudicial para a saúde e a aparência, é importante lembrar que existem diferentes de tipos de gordura e que o nosso organismo também precisa dela para gerar energia para cumprir as atividades diárias. Então, hoje vamos um pouco sobre as gorduras que podem e não podem ser ingeridas. "

A ingestão de gordura não deve fornecer mais do que 35% da energia total diária, embora em menos de quatro anos, possa chegar a até 40%. Falando delas, você tem que priorizar acima de tudo a qualidade sobre a quantidade, de acordo com o primeiro estudo de consenso assinado por quatro sociedades médicas sobre o assunto publicado na Espanha.

O documento indica que os ácidos graxos saturados contidos nos alimentos, tais como azeite ou óleo de semente como a margarina, devem ser a principal fonte de energia fornecida por gordura. Pela primeira vez surgiu um dado conciso sobre o valor dado a gordura e o seu valor energético. De acordo com os especialistas, os ácidos graxos saturados devem fornecer menos do que 10% das calorias e o colesterol deve ser inferior a 300 miligramas.

Leia também: “O Que São Gorduras Saturadas?

Também aconselham minimizar o consumo de ácidos graxos trans (1%) presentes nos lanches salgados produtos de panificação. Para melhorar a dieta gordurosa, o documento afirma que é melhor comer peixe (pelo menos duas vezes por semana) e escolher carnes magras.

Crianças e mulheres grávidas devem aumentar o consumo de peixe três ou quatro vezes em uma semana, evitando aqueles com altas concentrações de mercúrio, como o atum ou peixe-espada. Os especialistas recomendam ainda que tanto para adultos e crianças com excesso de peso ou dislipidemia (distúrbio metabólico dos lipídios) o consumo de leite desnatado e seus derivados.

O leite de vaca sem modificação deve ser ingerido a partir de 12 meses e os bebês que não recebem o aleitamento materno devem consumir fórmulas enriquecidas com ácidos graxos poli-insaturados. Além disso, as preparações de refeições devem ser simples (cozido, grelhado, cozido no vapor, etc.).

Leia também: “Gorduras: Quais Você consome e Qual é Indicada para Alimentação“.

O documento destaca a necessidade de equilíbrio entre a ingestão de saturados e insaturados de forma a estimular o aumento do consumo de ômega 3 e 6, que funcionam como reguladores metabólicos nos sistemas cardiovascular, pulmonar, imunológico e reprodutivo. O estudo dedica especial atenção às crianças e adolescentes, cuja oferta não pode ignorar os benefícios da ingestão de gordura adequada. Entre outros exemplos, a qualidade da sua influência na prevenção da aterosclerose para atingir a excelência na acuidade visual e melhor desenvolvimento cognitivo em crianças e recém-nascidos prematuros.

Tenha atenção principalmente às crianças, afinal o consumo de gorduras chamadas de “boas”, previne uma serie de doenças que se manifestam no futuro. Os idosos também estão inclusos nessas recomendações, onde o consumo equilibrado de ômega 3 favorece a prevenção contra doenças degenerativas do cérebro.