Não é incomum ter níveis moderadamente baixos de zinco, mas a deficiência grave é rara.

Os sintomas incluem aumento da susceptibilidade a infecções, erupções na pele, perda de cabelo, escasso crescimento em crianças, cicatrização lenta das feridas, acne, infertilidade masculina, falta de apetite, diminuição do sentido do gosto e do olfato, e, possivelmente, a inflamação da boca, língua ou pálpebras.

A deficiência crônica e mais grave pode causar problemas de saúde importantes, como retardo de crescimento e maturação óssea escassa. O fígado e o baço, às vezes, estão aumentados de tamanho. O tamanho e a função testicular tendem a diminuir. Podem se formar cataratas, e o nervo óptico se inflama, afetando a visão das cores. O ouvido também é afetado.

A carne é a melhor fonte de zinco, por isso os vegetarianos restritos são os grupos que tem mais possibilidades de serem deficientes. A absorção de zinco é inibida pelos alimentos ricos em fibras, de modo que as pessoas que seguem dietas muito ricas em cereais integrais e fibras precisam tomar suplementos de zinco separados.

Leia também: “Benefícios do Zinco“.

O zinco é necessário em quantidades maiores nas mulheres grávidas ou que estão amamentando. A deficiência na gravidez pode reduzir o peso do recém-nascido, assim como aumentar o risco materno de toxemia. Um bom suplemento vitamínico pré-natal provavelmente contém uma quantidade adequada de mineral.

Sintomas de Deficiência de Zinco

As pessoas com mais de 50 anos não absorvem bem o zinco e, por isso, não têm uma ingestão adequada; portanto, requerem um suplemento. As pessoas alcoólatras costumam ter um mal estado nutricional, e também o álcool reduz as reservas de zinco.

Existe uma necessidade crescente da maioria dos minerais e vitaminas em pessoas que estão submetidas constantemente ao estresse. Aquelas que têm que ser operadas, apresentam queimaduras graves, doenças debilitantes ou uma má nutrição costumam precisar de maiores quantidades de zinco do que a média.

Algumas doenças aumentam o risco de deficiência de zinco. A anemia falciforme, diabetes ou doença renal podem afetar o metabolismo do mineral. As pessoas com doença de Crohn, diarreia crônica ou crianças com acrodermatite enteropática também têm necessidades maiores de zinco.

Alimentos Ricos em Zinco:

As ostras são extremamente ricas em zinco. Algumas fontes, como cereais integrais, legumes e nozes têm um bom teor de zinco, mas a fibra nestes alimentos impede que seja bem absorvido.

Os alimentos nos quais o zinco se utiliza melhor são a carne de vaca, a carne de aves, leite, queijo e iogurte. O xarope de bordo também é uma boa fonte de zinco.

Leia também: “Alimentos Ricos em Zinco“.

Fontes Adicionais de Zinco:

Os suplementos de zinco estão disponíveis na forma de comprimidos orais. O gluconato de zinco é o mais comumente usado em comprimidos para combater as infecções das vias respiratórias superiores.

Devemos escolher apresentações que não utilizem o ácido cítrico nem o ácido tartárico para dar aroma, porque isso parece diminuir sua eficácia. Os tipos orais de zinco que melhor se absorvem são o citrato de zinco, o acetato de zinco e o picolina de zinco.

O sulfato de zinco é o que tem mais possibilidades de causar irritação no estômago. As formulações tópicas são usadas para acne e as lesões cutâneas. O zinco oral não deve ser tomado com alimentos que possam diminuir sua absorção, como café, os cereais com fibras, proteínas, citrato, cálcio ou fósforo.

Os suplementos devem ser armazenados em um local fresco e seco, longe da direta e do alcance de crianças.