A espelta ou trigo vermelho é parente próxima do trigo, e com ela é possível elaborar pão, cereais e massas, entre outros, seja branco ou integral. Sua origem provém de mais de 6.000 anos atrás e fornece nutrientes benéficos, que podem fazer parte de uma dieta saudável.

A espelta é uma alternativa ao trigo, já que é mais bem tolerado e tem menos calorias do que este último. O inconveniente é que, como um parente do trigo, contém glúten, por isso não é adequado para pessoas com alergias diagnosticadas ou doença celíaca.

Nutrientes do Trigo Vermelho

Entre os seus nutrientes destacam-se os seguintes:

Contêm vitaminas do complexo B, como B1, B2, B3, especialmente, B6 e B9, que ajudam na produção de energia e de células vermelhas do sangue, entre outros, e fornece antioxidantes, como a vitamina E e o betacaroteno.

Entre os seus minerais incluímos o ferro, que ajuda a prevenir a anemia por deficiência de ferro, também apresenta potássio, magnésio, fósforo e manganês.

Uma xícara de trigo vermelho ou espelta crua fornece cerca de 20 gramas de fibra, um pouco menos do que a dose diária necessária para mulheres com menos de 50 anos e ajuda a manter um sistema digestivo saudável e reduzir o colesterol.

Trigo Vermelho: Definição e Benefícios

Possui uma boa quantidade de proteínas e contêm todos os oito aminoácidos essenciais, o que resulta além de saudável muito interessante para aquelas pessoas ​​que têm uma dieta vegetariana.

Benefícios Proporcionados Pelo Trigo Vermelho

Possui os seguintes benefícios, graças ao seu teor de nutrientes:

  • Retarda o processo de aterosclerose, que é o endurecimento das artérias causado pelos altos níveis de colesterol e contribui para aumentar o risco de sofrer de doença cardiovascular. A vitamina B3 pode ajudar a reduzir os níveis de colesterol total e a reduzir a formação de coágulos sanguíneos.
  • Cerca de 56 gramas de espelta podem fornecer 24% do valor diário de niacina e a fibra contida na espelta pode ajudar a reduzir os níveis de colesterol total e os níveis de LDL. Resulta interessante que se consuma espelta integral pelo menos diariamente, especialmente as pessoas que sofrem com colesterol alto, hipertensão ou doença cardiovascular, já que ajuda a retardar o processo de aterosclerose.
  • A espelta ajuda a reduzir a frequência das enxaquecas, por seu conteúdo em vitamina B2; comer apenas cerca de 60 gramas de pão ou outro produto assado de espelta integral fornecerá mais de 75% do valor diário de vitamina B2.
  • Ajuda a reduzir o risco de diabetes tipo 2, porque consumir espelta regularmente, entre outros cereais integrais são uma grande fonte de magnésio, o qual ajuda a controlar o açúcar no sangue.
  • Evita em grande parte a formação de cálculos biliares, porque a espelta é rica em fibras insolúveis, que além de acelerar a rapidez com que se movem os alimentos através do intestino, reduz a secreção excessiva de ácidos biliares, que contribuem para a formação cálculos biliares; também as fibras insolúveis aumentam a sensibilidade à insulina e diminuem os triglicerídeos.
  • A espelta contém ligninas, um composto benéfico, que impede o desenvolvimento de tumores, como o câncer de mama, próstata e cólon. Também contribuem para a boa saúde cardiovascular, ajudando a reduzir os sintomas da menopausa e da osteoporose.
  • Graças à fibra contida no trigo vermelho integral, ajuda a proteger contra o câncer de mama, especialmente em mulheres na pré-menopausa que consomem pelo menos 13 gramas de fibra por dia.
  • É adequada para pessoas com problemas digestivos e para aquelas que sofrem de síndrome do intestino irritável, devido à combinação de um alto teor de fibras e baixo teor de glúten, sendo mais digerível do que o trigo comum.
  • São ricas em fito estrogênios, que são compostos de plantas que podem afetar positivamente os níveis de colesterol no sangue, a elasticidade dos vasos sanguíneos, o metabolismo ósseo, e outros processos metabólicos celulares.