A vigorexia ou anorexia reversa, também conhecida como “Síndrome de Adônis”, é um transtorno alimentar caracterizado por uma preocupação obsessiva com o físico e distorção da imagem corporal. A pessoa, na sua obsessão com a beleza física começa compulsivamente a praticar esportes para ganhar músculos incontrolavelmente, independente de todas as consequências para a saúde levadas por tal excesso.

Além da prática excessiva de exercícios, outro sintoma dos vigoréxicos é que consomem uma dieta desequilibrada, rica em proteínas, quase nenhum lipídio, supostamente para promover a hipertrofia muscular. No entanto, a condição psicológica dessas pessoas as leva a acreditar que apesar do seu notável desenvolvimento muscular, elas permanecem fracas.

Infelizmente, a vigorexia é muitas vezes acompanhada por substâncias muito pouco saudáveis como clenbuterol, esteroides, creatina, etc. É claro que essas drogas muitas vezes são obtidas no mercado negro sem nenhuma garantia dos seus efeitos ou informações sobre os riscos à saúde como consequências da vigorexia.

Leia também: “Anorexia: Sintomas e Tratamentos“.

Sintomas da Vigorexia Ou Anorexia Reversa

Foi o Dr. Harrison Graham Pope Jr., professor de psicologia em Harvard, nos Estados Unidos, o primeiro a prever esta doença em 1993. Alguns sintomas são descritos como semelhantes há alguns aspectos da anorexia, como a tirania da escala, auto-imagem distorcida, baixa auto-estima, introversão, automedicação, idade de início do transtorno, a modificação da dieta, etc. A diferença geralmente se encontra no sexo, os pacientes na vigorexia são mais comumente do sexo masculino, ao contrário da anorexia, na anorexia a automedicação é feita com diuréticos e laxantes e na vigorexia o problema é com drogas que são anabólicas, para o super desenvolvimento muscular.

Vigorexia – Anorexia Reversa, A Obsessão Pela Beleza Física

Tratamento da Vigorexia: É Possível e Existe

O tratamento da vigorexia é complexo, mas possível. Para combatê-la é necessária uma mudança de comportamento no indivíduo que deve ser tratado com terapia psicológica, que elimina o medo do fracasso, e, em seguida, recupera a auto-estima. Há também casos em que a doença está ligada a desequilíbrios dos neurotransmissores no sistema nervoso central, serotonina, particularmente. O tratamento com fármacos seria outra opção. Embora seja comum que um paciente necessite dos dois tipos de tratamento, tanto farmacológico quanto psicológico.