Arritmia: Quando O Coração Perde O Passo

O coração é um músculo incansável que pulsa sem parar desde muito antes do nascimento até o último segundo de vida. Embora não pare, nem sempre bate no mesmo passo: por vezes, bate mais lento e em outras mais rápido variando de acordo com a necessidade de oxigênio do organismo. Como na dança, às vezes se perde o passo e é preciso agir rapidamente para recuperar o ritmo. Uma mudança no padrão ou ritmo usual do coração é o que se conhece como arritmia. Variam desde inofensivas até graves. Aqui te explicamos como acontecem e como identificá-las.

As palpitações, as batidas que "pulam", uma vibração no peito ou o seu oposto, as pausas irregulares entre uma batida e outra... Todos esses são sintomas de uma arritmia, uma irregularidade no ritmo dos batimentos cardíacos. Normalmente, o coração bate de 60 a 100 vezes por minuto e isso é o que se considera como o ritmo cardíaco. Quando o ritmo acelera em resposta a um estímulo como estresse (exercício é um exemplo) é chamado taquicardia; quando se torna mais lento ou desacelera, como durante o sono, é chamado de bradicardia. Quando bate de maneira irregular, como já dissemos, é que recebe o nome de arritmia, que pode ser inofensiva ou pode ser grave, já que se causa redução na circulação do sangue pode causar danos ao cérebro, coração e outros órgãos vitais.

Leia também: "Taquicardia: O que é, Sintomas e Tratamentos para Taquicardia".

Arritmia: Quando o Coração Perde o Passo

Para que você possa entender o que acontece durante uma arritmia, vamos rever o funcionamento do coração.

Um Coração Que Bate É Um Pequeno Sistema Elétrico

Por que o coração bate? Para o sangue que é carregado com oxigênio e nutrientes por todo o corpo. Mas esse sangue precisa ser empurrado e é aí que as batidas estão envolvidas, as contrações do coração controladas por impulsos elétricos.

O sistema elétrico do coração que regula a frequência cardíaca e o ritmo dos batimentos cardíacos consiste em duas áreas de controle ou nódulos e uma série de vias por onde corre o impulso elétrico, de forma semelhante à que funciona qualquer outro circuito elétrico, como o da sua casa, por exemplo. Em termos gerais, para não te sobrecarregar com detalhes, com cada batida um impulso elétrico corre desde a parte superior (ou átrios), até a parte inferior (ou ventrículos). À medida que o impulso viaja através das vias, as câmaras do coração (átrios e ventrículos) se contraem e relaxam, assim, impulsionando assim o sangue, em um processo que se repete entre 60 a 100 vezes por minuto em condições normais.

Tipos de Arritmias

Qualquer irregularidade no ritmo das contrações (chamada sístole) e os relaxamentos (chamado diástole) é o que origina as arritmias que se classificam de acordo com o local de origem (os átrios ou os ventrículos). Existem quatro tipos principais de arritmia que são: extrassístoles, arritmias supraventriculares, arritmias ventriculares e bradiarritmias.

As extrassístoles (ou contrações ventriculares prematuras) são a forma mais comum de arritmia. Consiste em um batido adiantado em relação à frequência normal. Normalmente, são inofensivas e não necessitam de tratamento quando se apresentam em pessoas com bom estado de saúde. Quando produzem sintomas se sente como uma espécie de vibrar no peito e a sensação de que o coração pulou com uma batida. Costuma se apresentar de maneira espontânea e não porque a pessoa sofre de uma doença cardíaca (embora certas condições sim possam produzir extrassístoles). Às vezes, podem se apresentar devido ao estresse, quando se realiza muito exercício ou quando se consome cafeína ou nicotina em excesso.

As arritmias supraventriculares, por sua vez, são taquicardia (quando se aceleram os batimentos) que se originam nos átrios ou no nó atrioventricular (um grupo de células localizadas entre os átrios e os ventrículos). Neste grupo se encontram várias que são: a fibrilação atrial, a palpitação atrial, a taquicardia supraventricular paroxística e a síndrome de Wolff-Parkinson-White.

A Fibrilação Atrial

Dentro deste primeiro grupo, vamos prestar um pouco mais de atenção à fibrilação atrial, porque se trata do tipo mais frequente de uma arritmia grave. Consiste em uma contração muito rápida e irregular dos átrios (cavidades superiores do coração). O impulso elétrico que origina o batimento cardíaco não começa no lugar de costume, mas em outra parte do átrio ou nas veias pulmonares próximas e não se move da forma adequada. O resultado é que as paredes dos átrios vibram ou fibrilam (daí seu nome) muito rápido, em vez de bater normalmente e, em seguida, não conseguem bombear sangue para os ventrículos da forma correta.

As duas complicações mais graves associadas com a fibrilação atrial são o acidente cerebrovascular e insuficiência cardíaca (falha cardíaca).
Quando uma pessoa sofre de fibrilação atrial, podem se formar coágulos ao acumular sangue nos átrios que estão fibrilando, em vez de circular até os ventrículos. Se um coágulo se desprende pode chegar ao cérebro e causar um derrame. É por isso que as pessoas que sofrem recebem tratamento com anticoagulantes. O acidente vascular cerebral pode ocorrer se um coágulo de sangue chega até uma artéria do cérebro e obstrui (bloqueia) a circulação do sangue.

A insuficiência cardíaca ocorre porque o coração não consegue bombear o sangue que o corpo necessita. A fibrilação atrial pode causar insuficiência cardíaca se os ventrículos batem muito rapidamente e não têm suficiente tempo para se encher de sangue e bombeá-lo para o resto do corpo. Isso causa fadiga, inflamação (inchaço) das pernas e sensação de falta de ar.

Por vezes, a fibrilação atrial é devido à outra condição que afeta o coração, como hipertensão, doença cardíaca coronária ou doença reumática do coração, um problema com uma das válvulas cardíacas. Outras causas incluem hipertireoidismo (excesso de hormônio tireoidiano), o excesso de bebidas alcoólicas ou se outros membros da família sofreram de fibrilação atrial.

Entre outros fatores de risco deste tipo de arritmia estão:

Os sinais de aviso de fibrilação atrial podem incluir: batidas fortes no peito (como trovão, tambores ou saltos); palpitações frequentes (a sensação de que o coração pula com uma batida); falta de ar após realizar um esforço físico; dor no peito e até tonturas ou desmaios.

Leia também: "Quatro Plantas Medicinais que Te Ajudam a Reduzir Palpitações".

Quando se apresentam esses sintomas, é preciso consultar um médico para estabelecer o diagnóstico e determinar o tratamento que ajude a restaurar o ritmo normal e prevenir os coágulos.

Taquicardia Ventricular e Fibrilação Ventricular

São duas arritmias que se originam nos ventrículos (cavidades inferiores do coração) e que são mais perigosas do que a fibrilação atrial. Felizmente, são menos frequentes. No caso da taquicardia ventricular, os ventrículos batem em velocidades muito rápidas (muito acima de 100), o que não permite que se encham de sangue e por isso o coração não pode distribuí-lo para o corpo e não pode oxigenar os órgãos e os tecidos, o que é perigoso se durar um longo período de tempo. Pode causar palpitações, tonturas, fraqueza, pressão arterial baixa e desmaio. Pode se converter em fibrilação ventricular que é uma arritmia mais grave.

Na fibrilação ventricular, como no caso da fibrilação atrial, os ventrículos vibram de forma rápida e irregular e tampouco conseguem bombear o sangue eficientemente e o resultado é o mesmo que na taquicardia ventricular, mas muito mais rápido e grave. Se não for tratada rapidamente é mortal, porque acaba com uma parada cardíaca.

As arritmias podem assustar as pessoas que sofrem, mas em muitos casos, e especialmente em pessoas mais jovens sem histórico de doença cardíaca, não representam um perigo sério e podem ser tratadas com medicamentos. As arritmias supraventriculares são muito comuns em pessoas de meia idade e de idade avançada. Normalmente, à medida que se envelhece aumentam as probabilidades de sofrê-las, especificamente a fibrilação atrial. Muitas aparecem de forma temporária em resposta a emoções ou atividades normais, mas existem arritmias que podem ser perigosas e por isso sempre é importante quando se suspeita que possa haver uma arritmia que seja avaliada por um cardiologista para determinar se requer tratamento.

Este é um assunto extenso que merece ser explicado em detalhes, para que você possa entender melhor as informações, continuaremos explicando outros tipos de arritmia em um artigo posterior. Se este tema lhe interessa, fique atento para que você possa identificá-las e não entre em pânico, da próxima vez que o seu coração perder o passo.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

;
Confira Mais Sobre Esse Assuto