Você mesmo(a) conhece o seu corpo e sabe quando algo lhe incomoda, só que às vezes você pode minimizar as dores, quando na verdade surgem para chamar sua atenção. A dor de cabeça, por exemplo, pode indicar a presença de um tumor no cérebro. Para que você possa reconhecer os seus sintomas e agir rapidamente, vamos te contar do que se trata o câncer cerebral e quando é necessário procurar ajuda profissional.

O câncer. A simples menção desta palavra na consulta pode te deixar gelado (a), angustiado (a) e preocupado (a). O câncer talvez seja um dos problemas de saúde que gera mais medo. Ocorre quando crescem células anormais malignas, que pode se formar em qualquer parte do corpo, incluindo o cérebro. Neste último caso, fala-se de câncer cerebral ou câncer no cérebro.

Por outro lado, é preciso levar em conta que se pode falar de um tumor cerebral ou um tumor no cérebro em geral, e esta denominação pode corresponder a uma condição na qual se formam células que não são malignas ou cancerosas. Ou seja, existem tumores cerebrais benignos, mas que não se espalham para outras partes do corpo, como o câncer, pelo tipo de células, em alguns casos, também pode causar problemas no cérebro, porque o seu crescimento pode pressionar os tecidos ao seu redor. Geralmente não se tornam malignos, mas ocasionalmente pode acontecer, mas é necessário detectá-los e que estejam sob supervisão médica.

Câncer Cerebral: O Que é, Sintomas e Tratamento

O cérebro é o órgão mais importante do corpo, já que não apenas controla os cinco sentidos (paladar, tato, olfato, visão e audição), mas também a capacidade de falar e se mover. Está protegido pelo crânio e uma membrana especial chamada dura-máter, e é composto por diferentes tipos de células, como neurônios, que são aquelas que nos permitem pensar e desenvolver qualquer atividade cerebral, e as chamadas células gliares, que ajudam a cuidar dos neurônios.

Os tumores cerebrais (benignos, que não contêm células cancerosas ou malignos, que é o câncer cerebral) pode ser de diferentes tipos, recebem o nome de acordo com o tipo de célula de onde provém ou a parte do cérebro onde começaram, por exemplo: glioma (iniciado nas células gliares), meningioma (começa nas meninges), e meduloblastoma (começa no cerebelo, também chamado de tumor primitivo neuroectodérmico). A lista é muito longa. Estes são apenas alguns exemplos.

Quando o câncer cerebral começa no cérebro em si, se denomina câncer cerebral primário. Quando o câncer começa em outras partes do corpo e, em seguida, passa para o cérebro se diz que é um câncer cerebral metastático. Em ambos os casos, as células crescem rapidamente e se espalham por toda a cabeça (e geralmente ficam ali, não passam do cérebro para outras partes do corpo).

Por enquanto, não se conhece as causas que podem provocar o câncer no cérebro. Acredita-se que pode haver vários fatores relacionados com a doença e se sabe que receber radiação no cérebro, que certas condições hereditárias e ter infecções por HIV (SIDA) aumentam a possibilidade de desenvolver o câncer do cérebro.

Quanto aos sintomas, o câncer do cérebro pode causar uma variedade deles, entre os mais comuns estão:

  • Dor de cabeça de manhã ou dor de cabeça que desaparece depois de vomitar, ou mudança no padrão das dores de cabeça.
  • Náuseas e vômitos frequentes.
  • Mudanças na capacidade de falar, ouvir ou ver.
  • Problemas de equilíbrio ou ao caminhar.
  • Fraqueza em um lado do corpo.
  • Problemas com o pensamento ou de memória e para compreender.
  • Espasmos musculares e fraqueza em algumas partes do corpo.
  • Dormência (formigamento) ou fraqueza nos braços ou pernas.
  • Sonolência que não é comum.
  • Mudanças na personalidade ou no comportamento.
  • Convulsões.

Se você tem esses sintomas, é importante consultar um médico o mais rapidamente possível, para que o diagnóstico seja estabelecido. Se houver suspeita de um tumor ou câncer cerebral, será necessário fazer alguns exames, incluindo raios-x que pode ser tomografia computadorizada (CAT-scans) e/ou ressonância magnética (MRI), entre outros. Em alguns casos, é necessário fazer uma biópsia.

No que diz respeito ao tratamento destes tumores, em alguns casos, a cirurgia é recomendada para removê-los (extraí-los). Isto depende do lugar em que se encontra o tumor, do seu tamanho e de outros fatores. Por vezes, embora o ideal seja retirar o tumor, isto não é possível, devido à área do cérebro na qual se encontra torna a cirurgia muito arriscada ou impossível. Em outras ocasiões, o médico pode sugerir que o tratamento com radioterapia e/ou quimioterapia para o tratamento poderia ser mais apropriado, ou poderia recomendar uma combinação de ambos.

O tratamento e o prognóstico dependem do tipo de câncer envolvido e do estado de saúde geral de cada pessoa. Os novos avanços científicos na medicina têm melhorado as chances de remoção desses tumores e permitem que aqueles que sofrem com o câncer no cérebro possam se recuperar. Claro, sempre é importante perguntar sobre todas as opções de tratamento e, em caso de dúvida, solicitar uma segunda opinião para tomar a sua decisão sobre qual o tratamento a seguir.