Clamídia: Sintomas, Diagnóstico E Tratamento

A clamídia é uma doença sexualmente transmissível, com efeitos nocivos sobre a fertilidade feminina. A citologia ou o papanicolau não é o melhor meio para detectá-la, já que na melhor das hipóteses apenas o faz em 30%. Não se trata de alarmar as pessoas, mas o mal está crescendo. O melhor é esclarecer as dúvidas e submeter-se ao teste que mede a sua temida presença.

A característica da clamídia é que é uma bactéria intracelular exclusiva que ao crescer e se multiplicar produz destruição celular, causando danos irreversíveis, principalmente nas trompas uterinas. Nesse sentido, existem grupos que são de especial risco: adolescentes com atividade sexual, adolescentes grávidas, mulheres solteiras sexualmente ativas, mulheres casadas com mais de um parceiro sexual, mulheres com antecedentes de doença sexualmente transmissível ou antecedente das mesmas em seu parceiro. Na verdade, a geração mais jovem é onde existe a maior concentração desta doença, inclusive mais do que aos 30 a 35 anos.

A clamídia precisa ser combatida, já que não apresenta sintomas: dorme e acorda com a gente e seu principal risco é o de causar esterilidade em sua vítima.

Clamídia: Sintomas, Diagnóstico e Tratamento

Também se encontram fatores de risco em mulheres que têm antecedentes de ter tido algum tipo de doença sexualmente transmissível como gonorreia, sífilis, ou que seus parceiros sexuais tenham o germe da doença e saibam que são portadores da clamídia.

Sintomas da Clamídia

Do ponto de vista clínico, 50% dessas infecções são assintomáticas. Além disso, 60% dos pacientes com infecção por clamídia nunca sabem até que surge alguma complicação de outro tipo. Mas se o colo do útero é examinado, é possível encontrar cervicite mucopurulenta, que aparece ao colocar o espéculo, onde também se observa inflamação no interior do colo do útero.

O problema é que na maioria desses casos são feitos testes globais e não se encontram germes, e é então quando até 50% dos pacientes pode apresentar clamídia. É frequente que isso ocorra em mulheres com uretrite não gonocócica, mas que ao fazer cultura após cultura não se encontra nenhuma anomalia e siga com dor ao urinar. Outros pacientes que se recomenda estudar são aqueles que apresentam processo inflamatório pélvico. Portanto, não podemos afirmar que existam sintomas da clamídia, que nos permitem identificar rapidamente a doença.

Diagnóstico da Clamídia

Mas, como se detecta? Existem duas maneiras. Uma delas é através de um exame clínico que geralmente não tem muito boa sensibilidade e por exames de laboratório.

Existem diferentes testes para descobrir. Primeiro, as culturas para a clamídia, denominadas padrão-ouro, que são muito difíceis de fazer e que muito poucos centros realizam. De acordo com especialistas, é o que dá maior suscetibilidade diante da doença.

Depois, existem os testes de imunoensaio, que são os testes de Elisa, e que possuem muito boa sensibilidade e elevada especificidade. Isso significa que raramente são errados. Este teste geralmente é realizado pelo ginecologista com uma haste do canal endocervical a partir do colo do útero.

Depois se encontram os testes conhecidos como PCR ou teste de polimerase, que são testes específicos para a clamídia, e que são feitos por meio de amostras de urina e que possuem uma elevada especificidade e sensibilidade. Finalmente, se encontram as imunoglobulinas no sangue, as que não falam da infecção atual, apenas revelam se em algum momento já existiu. Ou seja, não servem para diagnósticos imediatos.

Contágio da Clamídia

Necessariamente é por um contágio sexual e cada vez mais frequente devido às populações mais promíscuas. A transmissão pode ser de uma pessoa para outra ou transversal, mas também existe a transmissão vertical que corresponde a que transfere a mãe para filho no momento do parto. O problema que se apresenta em crianças é uma conjuntivite por clamídia, embora também sejam relatadas pneumonias por clamídia.

Também não é seguro ter clamídia durante a gravidez, especialmente em populações de risco, já que se encontram frequentemente casos de natimortos e nascimentos prematuros. Em pacientes adolescentes o percentual chegou a 6%, um número crescente no exterior.

Tratamento da Clamídia

Um antibiótico inócuo para a gravidez, que é a eritromicina. E se não está grávida, o tratamento que se utiliza é a azitromicina geralmente em dose única.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Confira Mais Sobre Esse Assuto