O transplante cardíaco é um procedimento que tem sido feito há mais de 26 anos, com crescente sucesso, e que atualmente acontece em muitos hospitais em todo o mundo.

Candidatos a um Transplante de Coração

O transplante não é uma solução para todos os problemas do coração, obviamente. Na verdade, apenas pode ser realizado em um número muito pequeno de pacientes que tenham menos de 55-60 anos, com alguma doença cardíaca muito específica que limite drasticamente sua esperança de vida, a não mais de 2 ou 3 anos, que tenham todos os outros órgãos vitais em excelente estado (especialmente os rins, fígado e pulmões), que seja muito estável emocionalmente e que tenham uma família muito colaborativa.

Procedimento do Transplante de Coração:

Trata-se de encontrar primeiro um coração de doador, que geralmente procederá de uma pessoa saudável morta em acidente, sem lesões que afetam o coração. Este coração do doador é transportado em uma solução especial com toda a velocidade possível até o paciente receptor, cuja cavidade torácica já estará aberta e sem o coração doente. O novo órgão é colocado no local do antigo. O transplante, como toda grande cirurgia de coração, é feito sob anestesia geral, e o processo normalmente requer várias horas, durante parte das quais a função do coração e dos pulmões deve ser assumida por uma máquina de circulação extracorpórea.

Rejeição do Transplante de Coração:

Em muitos transplantes de órgãos, acontece que o sistema imunitário do receptor reconhece o tecido transplantado como estranho a si mesmo, e produz anticorpos para atacar o “invasor”. Por isso, após os transplantes de órgãos é preciso tomar medicamentos que suprimem a resposta imunológica normal (imunossupressores), e alguns deles por toda a vida. Dado que diminuem a capacidade do organismo de reconhecer e resistir a infecções, a dose deve ajustada individualmente com todo cuidado.

O que Você Deve Saber Sobre o Transplante de Coração

Leia também: “Perguntas e Respostas Sobre o Transplante Cardíaco“.

Recuperação Após o Transplante de Coração:

Quando um transplante de coração tem sucesso, a maioria dos receptores se recupera até levar uma vida relativamente normal. 80% deles vivem ativamente após um ano, e alguns receptores tem vivido mais de uma década após o transplante.

No entanto, o procedimento é complicado, e para que tenha sucesso requer uma equipe muito bem organizada de especialistas em transplantes e um paciente motivado. Em quase todos os casos, é preciso continuar vendo os membros da equipe de transplante por toda a vida, para o ajuste cuidadoso das doses individuais de medicação, o tratamento das complicações e, inclusive, a realização de biópsias do coração para monitorar possibilidade de rejeição.

Por tudo isso, o transplante de coração apenas é uma solução nos casos em que é a única esperança de vida e em que há chances reais de sucesso.