Para um diabético ou diabética, a área mais delicada do corpo são os pés. Descubra o que é o pé diabético e como podemos evitar essa condição.
Falar sobre o pé diabético poderia nos fazer pensar nos pés de uma pessoa que sofre dessa doença que é comum em todo o mundo. No entanto, é algo distinto. O pé diabético é uma doença em particular que sofrem os diabéticos, por isso estes devem ter muito cuidado.

Dadas as elevadas taxas de diabéticos no mundo, sempre é bom tocar em questões relacionadas a esta doença. Por isso, daremos uma visão sobre o que é o pé diabético e como tratá-lo.

O que é o Pé Diabético?

O pé diabético é uma condição em que os pés dos diabéticos são afetados pela deterioração das artérias periféricas que se encarregam de levam o sangue ao pé, o que implica em uma ameaça de gangrena. Além disso, os nervos periféricos do pé são afetados, de modo que o paciente costuma perder a sensibilidade e com isso, não percebe quando uma ferida, inflamação ou infecção está prejudicando sua saúde.

Ou seja, supondo que você sai na rua e pise em um pedaço de vidro ou está cortando as unhas e corta a mão com o cortador de unhas, produzirá uma ferida que será difícil de cicatrizar ou curar; além disso, você não sentirá os estragos de uma infecção que irá avançando, pois seus nervos terão perdido a função de comunicar ao seu cérebro que algo está errado (isto é feito através da dor). Por isso, muitas pessoas afetadas pelo pé diabético procuram o especialista quando suas infecções já estão muito avançadas.

Pé Diabético: O Que É e Como Tratá-lo

Agora, por que as feridas do pé diabético não se curam? Isto se deve à atrofia dos vasos condutores de sangue, que se encarregam de transportar o oxigênio e os nutrientes para as células; sem eles, estas dificilmente podem ser regeneradas e curadas. Além disso, os medicamentos que tomamos para infecção ou inflamação teriam que chegar a área afetada através do sangue, e se as passagens de sangue estão cortadas, tudo será em vão.

Todos os Diabéticos sofrerão de Pé Diabético?

Não, se eles mantiverem os seus níveis de açúcar em condições normais. Como você sabe, os níveis de glicose no sangue de um diabético são afetados por uma má função do pâncreas que é o responsável pela produção de insulina. Quando esta substância é escasa, os níveis de glicose começam a aumentar.

Teste de Glicemia ou Açúcar no Sangue

O teste de glicemia costuma ser realizado em jejum e, por experiência própria, aconselhamos que seja feito a cada três dias. Existem no mercado medidores portáteis de glicose que são semelhantes a um telefone celular; vem com algumas tiras reativas, que são introduzidas nele, depois de impregnarmos uma gota do nosso sangue que extraímos mediante uma rápida punção com a “caneta” (um dispositivo semelhante a uma caneta comum provida de uma ponta metálica).

Níveis de Açúcar no Sangue

Se os níveis de açúcares forem entre 80 e 100 miligramas por decilitro de sangue (ml/dl), seus níveis serão normais. Entre 100 e 125, você estará em risco e mais de 125 já são níveis elevados de açúcar. É preciso controlar a hiperglicemia (açúcar alto) com medicamentos prescritos pelo médico ou com injeções de insulina.

Leia também: “Pé de Diabético: Cuidados para os Pés de Diabéticos“.

Como Prevenir e Tratar o Pé Diabético?

O pé diabético pode ser evitado, com as recomendações que dão os médicos sobre esta doença: afinal, ter diabetes não é o fim do mundo. Você pode comer regularmente e habitualmente o de sempre, mas não em quantidades exageradas, especialmente gorduras, açúcares e pastas. Aqui te damos algumas das dicas mais importantes:

  • Coma moderadamente: um prato médio de refeição com 100 gramas de cada alimento (por exemplo, arroz, verduras e uma carne) estará bem. Tente evitar as frituras ou gorduras, e que nunca falte verduras e frutas em suas refeições.
  • Faça exercício: o exercício desintoxica o organismo e mantém a boa circulação essencial para a boa saúde das veias e das artérias em todo o corpo. Também ajuda a manter o açúcar em níveis normais.
  • Mantenha o açúcar controlado: verifique o seu nível de açúcar a cada três dias e tome a medicação que o médico prescreveu no horário indicado.
  • Lave e seque bem os pés: quando se limpar, lave os pés com uma esponja macia de banho, para estimular a boa circulação e, depois, seque-os meticulosamente, especialmente entre os dedos.
  • Estimule a boa circulação: dez minutos antes do banho, deixe correr a água de cima para baixo desde as coxas até os pés, para promover a boa circulação, depois continue com o seu banho.
  • Massageie suas extremidades: uma vez por semana ou até duas, massageie suas pernas, desde as coxas até os pés para estimular a boa circulação.
  • Verifique os pés de maneira frequente para evitar feridas ou lesões.
  • Use sapatos confortáveis que não produzam feridas.
  • Corte as unhas até a altura dos dedos, nunca menos.

Se você já tem sintomas de pé diabético, deve procurar imediatamente o médico: uma ferida, arranhão ou úlcera que não cicatriza (por exemplo, mais de 1 semana) é um sinal de alerta. Lembre-se, o pé diabético pode ser evitado e curado se mantivermos bons níveis de açúcar no sangue e levamos uma vida saudável.

Coma saudável, faça exercícios, especialmente aqueles que estimulam a circulação das extremidades e você verá que o pé diabético será uma condição com a qual você não terá que se preocupar.