São considerados fatores de risco para dor lombar:

  • Fatores ocupacionais: especialmente vibração e elevação manual.
  • Fatores psicossociais: insatisfação com o trabalho, as tarefas desagradáveis e repetitivas, ambiente de trabalho, a experiência da dor crônica contribui para sentir-se deprimido e incapaz.
  • Condições físicas: o exercício aeróbico (caminhada, ciclismo, etc.) tem um efeito benéfico.
  • Estilo de vida: tabaco ou obesidade.

Às vezes, a sobrecarga de dor nas costas parece ter sua origem devido a má postura mantida, inadequada durante os movimentos trabalhistas, fraqueza muscular, etc.

O paciente deve aprender a cuidar das suas costas para reduzir a dor e evitar recorrências. Essa atitude é fundamental e seguir as normas de higiene postural.

Dicas e Recomendações

Dor lombar aguda é uma condição comum, e na maioria dos casos com bom prognóstico. Dado um episódio inicial o único tratamento é necessário apenas para aliviar os sintomas.

Evite períodos prolongados de descanso que levam ao descondicionamento físico e piora o prognóstico psicossocial.

Não é a dor lombar que causa deficiência de mobilidade no local. A incapacidade está relacionada com a gravidade ou duração da dor inicial.

Lombalgia: Prevenção e Aconselhamento

Você precisa estar ativamente envolvido no tratamento da dor lombar. A prática de exercícios aeróbicos e de higiene postural ajuda a prevenir novos episódios.

Leia também: “A Dor nas Costas Pode Ser Devido a Que?

Lembre-se sempre que o seu médico é a pessoa mais indicada para tratar da sua dor. É claro que métodos naturais, como compressas e unguentos podem ajudar no alívio da dor, contudo é necessário buscar a causa da dor para tratá-la, pois uma dor aguda pode estender-se por longos anos até tornar-se crônica, onde o tratamento torna-se ainda mais complicado.