O Que é Lúpus Eritematoso Sistêmico?

É uma doença autoimune que afeta o tecido conjuntivo e os rins, principalmente.
Em 10 afetados, 9 são mulheres.

Causas

Por razões desconhecidas, o corpo ataca seus próprios componentes. Os fatores ambientais, indeterminados, contribuem para o aparecimento da doença.
Um número de medicamentos produzem um quadro semelhante, ainda que limitado e pouco frequentes: procainamida, hidralazina, isoniazida, clorpromazina, d-penicilamina, alfa-metildopa, practolol, quinidina e interferão alfa. Outras medicações têm sido responsabilizadas em casos esporádicos.

Sintomas

Geral: febre, cansaço, mal estar, perda de peso, falta de apetite.

Osteo muscular: dores nas articulações (artralgia) especialmente nos dedos, dor muscular (mialgia), inchaço das mãos e dos pés, inflamação dos tendões.

Pele: vermelhidão das bochechas e parte posterior do nariz, erupções típicas mais difundidas, alopecia parcial, vasculite lesões nos braços e mãos.

Renal: nefrite clinicamente significativas na metade dos pacientes, perda de proteína na urina, inchaço dos tornozelos.

Nervoso: ela pode afetar praticamente qualquer estrutura do cérebro, com sintomas idênticos ao local atacado. Muitas vezes, alguma perda cognitiva, convulsões podem ocorrer.

Vascular: tromboses são comuns, hematológica (do sangue), anemia de doença crônica muito comum, hemólise (destruição dos glóbulos vermelhos), trombocitopenia, lúpus anticoagulante propenso a hemorragias.

Cardiopulmonar: pericardite ocorre frequentemente, miocardite, que pode causar morte súbita. Pleurite e derrame pleural.

Digestivo: náuseas, diarreia, desconforto abdominal.

Ocular: vasculite retiniana com perda de visão.

Leia também: “Lúpus: Remédios Naturais e Tratamentos Caseiros Para o Lúpus“.

Fatores de Risco

Histórico familiar, exposição ao sol pode desencadear um ataque.

Prevenção

A doença em si não tem prevenção. Para evitar crises, evite o sol.

Diagnóstico e Tratamento

Diagnóstico: o diagnóstico é baseado em uma combinação do histórico e exame por um médico com exames de sangue e urina.

Para avaliar o grau da insuficiência renal poderá ser necessária uma biópsia do fígado, geralmente por punção.

Tratamento: o tratamento é médico e pode exigir internação hospitalar para tratamento de crises ou complicações.

Medicação: o seu médico irá administrar corticosteroides e imunossupressores, medicações poderosas, que devem ir reduzindo o mais rapidamente possível. Para um desconforto menor, você pode tomar aspirina ou paracetamol.

Atividade: evite atividades que possam causar ferimentos, como esportes de contato. Você pode nadar, andar de bicicleta ou a pé. Não existem outras restrições.

Dieta: nenhuma dieta especial.

Informe o seu médico se observar os sinais de infecção (febre associada a dores de novo). Observar um agravamento dos sintomas, apesar do tratamento. Sangramento ou sentir tensão e dificuldade respiratória.

Possíveis Complicações

A parada cardíaca pode ocorrer, trombose venosa aguda e insuficiência renal crônica.

A gravidez pode ser bem sucedida, embora tenha aumentado o número de abortos espontâneos. Normalmente, não afeta a atividade da doença após o parto. Os medicamentos utilizados para o LES podem continuar a ser tomados durante a gravidez.

Prognóstico

Não há cura para esta doença. A expectativa de vida é de cerca de 70% em 10 anos de diagnóstico. A principal causa de morte é a insuficiência renal.