A meningite é uma inflamação das meninges (as três membranas que envolvem e protegem o sistema nervoso central), causada por uma infecção viral ou bacteriana.

Os agentes responsáveis são muito numerosos: desde o meningococo (o mais conhecido e um dos mais comuns) ao Haemophilus influenzae (responsável, até poucos anos atrás, de muitas meningites na infância) ou o pneumococo (hoje em dia, o agente patógeno identificado com mais frequência).

Sintomas da Meningite:

  • A doença manifesta-se de forma repentina, causando, especialmente em crianças menores, um estado de sonolência e de relutância acentuada. A criança se mostra cansada e chora, muitas vezes.
  • Pode existir febre, que pode oscilar entre valores muito altos (em torno dos 40 graus) e muito baixos (cerca de 35 graus).
  • Pode aparecer dor de cabeça, náuseas e crises de vômito.
  • Mas, acima de tudo, o pequeno sofre transtornos neurológicos, que podem se traduzir em dificuldade para se levantar da cama ou rigidez do pescoço (que se bloqueia, literalmente, e que a criança não é capaz de mover).

Leia também: “Meningite: Causas, Sintomas, Diagnóstico e Cinco Principais Remédios Naturais“.

Diagnóstico e Tratamento da Meningite:

O diagnóstico preciso de uma meningite é efetuado através de um exame de sangue. No caso de resultado positivo da doença, é preciso iniciar um tratamento a base de antibióticos, diferentes em função do germe identificado, que quase sempre acontece no hospital, a fim de manter controlado o organismo enfraquecido do paciente. Uma vez completado o ciclo do tratamento, na grande maioria dos casos, não se manifestam efeitos negativos em longo prazo.

Meningite: Como Identificá-la e Tratá-la

Vacinas Contra a Meningite:

Apenas algumas formas de meningite podem ser prevenidas com vacinas. As vacinas disponíveis atualmente são: meningocócica, haemophilus e pneumocócica. Algumas dessas vacinas não estão incluídas no calendário de vacinação infantil das Comunidades Autônomas.

No entanto, estas vacinas não oferecem uma proteção absoluta, já que atuam unicamente sobre determinados antígenos da cepa bacteriana. Em consequência, o fato de vacinar uma criança não significa necessariamente que fique imunizada.