O que é mieloma múltiplo?

Câncer que se inicia nas células plasmáticas da medula óssea.
Normalmente essas células produzem anticorpos que ajudam a destruir germes e combate à infecção.
No mieloma essa função se deteriora e o corpo não pode efetivamente combater a infecção.

Idade
Aparece em ambos os sexos, sendo mais comum em homens entre 50 e 70 anos de idade.

Causas

Desconhecidas, provavelmente hiperestimulação do sistema imune como antígenos ainda desconhecidos como desempenha o papel.
A dor óssea é causada por células plasmáticas cancerosas.
Causa anemia diminuiu os glóbulos vermelhos e plaquetas.

Sintomas

Dor no osso afetado:
Severa, generalizada e profunda.
Se o osso é enfraquecido, a dor se espalha para outras partes do corpo.
A perda de peso.
Os sintomas da anemia, como fraqueza, palidez, cansaço e rouquidão.

Fatores de risco

Desconhecidos.

Prevenção

Não existem medidas preventivas específicas.

Diagnóstico e tratamento

Diagnóstico:
História e exame físico por um médico.
Análise de sangue e urina.
A biópsia da medula óssea.
Raios-X de ossos e tomografia óssea.
Plasmaférese.

Tratamento:
Medidas gerais:
Ausência de instruções específicas, exceto aquelas listadas em outras seções.

Mieloma Múltiplo

Medicação:
Cortisona e drogas anticâncer (quimioterapia).
Analgésicos, incluindo a morfina.
Antibióticos para combater infecções quando elas ocorrem.

Atividade:
Permanecer ativo, conforme permitido pela dor ou complicações.

Dieta:
Nenhuma dieta especial.

Informe o seu médico se o seguinte ocorrer durante o tratamento:
Febre.
Quaisquer sinais de infecção (dor, inchaço, vermelhidão, sensibilidade ou calor) em qualquer parte do corpo.
Pés e tornozelos inchados.
Desconforto durante a micção ou diminuição da urina dentro de 1 dia.
Hemorragias inexplicáveis em qualquer parte do corpo.
Novos sintomas inexplicáveis se desenvolveram.
As drogas utilizadas neste tratamento podem produzir efeitos secundários.

Possíveis complicações

Infecções repetidas.
Insuficiência renal.
Sangramento espontâneo.

Prognóstico

Atualmente, este processo é irreversível.
No entanto, a dor pode ser aliviada ou controlada.
Algumas pessoas vivem 5 anos depois que os sintomas aparecem, e na literatura médica cita alguns casos de curas inexplicáveis.
A pesquisa científica está em curso e espera-se encontrar um tratamento efetivo e cura.