A diabetes tipo 2 está em ascensão há muito tempo, os diagnósticos aumentaram quatro vezes entre 1980 e 2014, então faz sentido que casos de pré-diabetes, também estejam aumentando. Mas você pode se surpreender ao saber que um enorme número de pessoas têm pré-diabetes e não sabem disso. Esse é um problema, porque se você não sabe que tem esse problema, provavelmente não está fazendo as mudanças necessárias para evitar a diabetes.

A pré-diabetes é uma condição em que o açúcar no sangue é consistentemente alto, mas não alto o suficiente para ser considerado diabetes. A maneira mais fácil de determinar se você tem é fazer um simples exame de sangue. O mais indicado é o teste A1C, que determina a porcentagem de glicose (açúcar) que está ligada à hemoglobina contendo proteínas do oxigênio no sangue.

A American Diabetes Association recomenda que todas as pessoas com 45 anos e mais velhas, verifiquem seu açúcar no sangue, embora você possa precisar fazer um teste mais cedo, se está com sobrepeso, têm síndrome do ovário policístico ou têm uma história familiar de diabetes.

Leia também: "Diabetes Tipo 1 e Tipo 2, Diferenças, O que é, Como Evitar e Prevenir Diabetes".

Embora alguns testes como o A1C, possam dizer se você está caminhando para o problema, também é importante prestar atenção a outras pistas. Em alguns casos, mesmo quando os resultados do teste apresentam um valor normal, você ainda pode ser pré-diabético. Alguns sinais como sede excessiva e micção frequente, podem indicar o problema.

Sintomas de Pré-Diabetes:

Problemas de pele. Se você é pré-diabético, pode experimentar manchas de pele avermelhadas, acastanhadas ou amareladas, chamadas necrobiose lipoídica diabética. Essa condição ocorre frequentemente em pessoas com diabetes, mas sua causa exata ainda é desconhecida.

Gota. A gota é um tipo de artrite que se forma quando o ácido úrico se acumula em seu corpo e forma cristais em suas articulações, tendões e ossos. Está doença está em ascensão em todo o mundo, e pesquisas descobriram que as pessoas que sofrem são mais propensas a desenvolver diabetes, provavelmente porque ambas as condições, muitas vezes, surgem em pessoas que são obesas.

Perda de cabelo. Há uma série de fatores que podem causar a perda de cabelo, incluindo medicamentos, genética e estresse, mas este problema também está associado à resistência à insulina, que é a marca da pré-diabetes e diabetes tipo 2. A resistência à insulina basicamente significa que você está tendo problemas para usar a insulina de forma eficaz para mover o açúcar do sangue para as células, o que faz com que acabe tendo níveis elevados de açúcar no sangue, que é o que ocorre na diabetes.

Fadiga extrema. Embora seja normal ocasionalmente se sentir um pouco cansado, não é normal estar constantemente durante o dia com vontade de não levantar da cama. A resistência à insulina pode ser a culpada, porque se o açúcar permanece na sua corrente sanguínea e não está indo para suas células onde é usado para a energia, o cansaço pode ocorrer com frequência.

Leia também: "Metformina: Medicamento Preferido Para Diabetes Tipo 2".

O Que Fazer Para Evitar Que a Pré-diabetes se Converta em Diabetes?

Se o seu médico lhe disser que você tem pré-diabetes, não entre em pânico. Cerca de 5% a 10% das pessoas com pré-diabetes serão diagnosticadas com diabetes anualmente, mas há muitas medidas que podem ser tomadas para evitar ser parte desse grupo.

Para começar, veja o que está no seu prato. Recomenda-se seguir a dieta mediterrânea, que é carregada com legumes, peixes, verduras e gorduras saudáveis. Você também deve fazer do exercício físico uma prioridade. Um estudo publicado em 2016 descobriu que mesmo o exercício de intensidade moderada, como caminhar a passos rápidos, pode diminuir e estabilizar o açúcar no sangue.

Depois de fazer algumas mudanças em sua dieta e hábitos de exercício, o excesso de peso provavelmente vai começar a reduzir, o que é definitivamente uma coisa boa. Um estudo de 2013 da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore nos Estados Unidos, descobriu que as pessoas com pré-diabetes que perderam apenas 10% do seu peso corporal dentro de seis meses após serem diagnosticadas com o problema, reduziram seu risco de desenvolver diabetes em impressionantes 85%.