O transtorno de identidade dissociativo ou de personalidade múltipla é o transtorno caracterizado pela existência de duas ou mais identidades ou estados de personalidade que controlam o comportamento do indivíduo de maneira alternada.

Este transtorno causa uma amnésia consistente na incapacidade de recordar informações pessoais relevantes sobre alguma das identidades coexistentes. A amnésia não é uniforme em todas as personalidades, de forma que o que desconhece uma das personalidades pode conhecer a outra.

O transtorno de identidade dissociativo é grave e tem caráter crônico; pode resultar incapacitante e criar deficiência. Associa-se com muita frequência com tentativas de suicídio; na verdade, acredita-se ser muito provável que termine em suicídio consumado. Vários estudos demonstram que de 3% a 4% dos pacientes hospitalizados e dos consumidores abusivos de substâncias psicoativas sofre de transtorno de personalidade dissociativa.

Transtorno de Identidade Dissociativo: O Que É, Causas, Sintomas e Tratamento

Causas do Transtorno de Identidade Dissociativo

Atribui-se a interação de diversos fatores: estresse esmagador, capacidade de dissociar, falta de apoio e carinho durante a infância diante de experiências dolorosas, falta de proteção contra eventos traumáticos (97% dos adultos com este transtorno manifestam ter sofrido maus tratos durante a infância, podendo ser comprovado em 85%). As crianças não nascem com um sentimento de identidade unitária, mas esta vai se desenvolvendo a partir de múltiplas fontes e experiências; em crianças submetidas a sobrecarga emocional se obstrui o desenvolvimento e partes que deveriam ter sido integradas permanecem separadas. Determinados pacientes não sofreram maus tratos, mas uma perda importante precoce (como a perda de um dos pais), uma doença grave.

Sinais e Sintomas do Transtorno de Identidade Dissociativo

As pessoas com um transtorno de identidade dissociativo podem experimentar muitas vezes um quadro de sintomas que podem se parecer com outros transtornos psiquiátricos. Os sintomas podem ser semelhantes aos da ansiedade, distúrbios de personalidade, esquizofrenia e transtornos afetivos ou epilepsia. A maioria das pessoas sofre sintomas de depressão, ansiedade (dificuldade para respirar, batimento cardíaco acelerado, palpitações), fobias, ataques de pânico, disfunção sexual, alterações no apetite, estresse pós-traumático e sintomas que simulam os de doenças físicas. Podem estar preocupados com o suicídio e são frequentes as tentativas, assim como os episódios de automutilação. Muitas pessoas com transtorno de identidade dissociativa abusam de álcool ou de drogas em algum momento de suas vidas.

A mudança de personalidades e a ausência de consciência do próprio comportamento nas outras personalidades muitas vezes tornam caótica a vida de uma pessoa com esse transtorno. Como as personalidades com frequência interagem entre elas, a pessoa diz ouvir conversas internas e as vozes de outras personalidades. Este é um tipo de alucinação.

Existem vários sinais característicos do transtorno de personalidade dissociativa:

  • Sintomas diferentes que ocorrem em momentos distintos.
  • Uma capacidade flutuante para assumir suas funções, desde a eficiência no trabalho e em casa até a inabilidade.
  • Intensas dores de cabeça e outros sintomas físicos.
  • Distorções e erros no tempo e amnésia.
  • Desrealização e despersonalização (sensação de estar separado de si mesmo e experimentar seu ambiente como irreal).

As pessoas com um transtorno de identidade dissociativo muitas vezes ouvem falar de outros sobre o que elas fizeram, mas não se lembram. Outras podem mencionar mudanças em seu comportamento que elas tampouco recordam. Podem descobrir objetos, produtos ou manuscritos com os quais não contavam ou não reconhecem. Muitas vezes se referem a si mesmos como "nós", "ele" ou "ela". Enquanto que, em geral, as pessoas não podem lembrar muito sobre seus primeiros cinco anos de vida, a pessoa com um transtorno de identidade dissociativo não recordam tampouco o que aconteceu entre seus 6 e 11 anos.

As pessoas com um transtorno de identidade dissociativo geralmente têm uma história de três ou mais diagnósticos psiquiátricos anteriores diferentes e que não responderam ao tratamento. Essas pessoas estão muito preocupadas com questões de controle, tanto o autocontrole como o controle dos demais.

Tratamento Para Transtorno de Identidade Dissociativo

O transtorno de identidade dissociativo requer psicoterapia, com frequência facilitada pela hipnose. Os sintomas podem ir e vir espontaneamente, mas o transtorno não desaparece por si só. O tratamento específico pode aliviar alguns dos sintomas específicos, mas não tem efeito sobre o transtorno em si.

O tratamento é muitas vezes difícil e emocionalmente doloroso. Geralmente, são necessárias uma ou duas sessões de psicoterapia por semana durante pelo menos 3-6 anos. As sessões têm como objetivo integrar as personalidades em uma única personalidade ou conseguir uma interação harmoniosa entre elas que permita uma vida normal, sem sintomas. A integração das personalidades é o ideal, mas nem sempre se consegue. As visitas ao terapeuta são reduzidas gradualmente, mas raramente terminam. Os pacientes podem confiar no terapeuta para que os ajude, de vez em quando, para lidar com os problemas psicológicos, do mesmo modo que podem fazê-lo periodicamente com seu próprio médico.

Previsão

O prognóstico das pessoas com transtorno de identidade dissociativo depende dos sintomas e das características do transtorno. Algumas têm principalmente sintomas dissociativas e características pós-traumáticas; isto significa que, além dos seus problemas de memória e de identidade, experimentam ansiedade sobre acontecimentos traumáticos e o fato revivê-los e recordá-los. Normalmente, se recuperam completamente com tratamento.

Outras pessoas também têm adicionalmente transtornos psiquiátricos graves, como transtornos de personalidade, afetivos, alimentares e de abuso de drogas. Seus problemas melhoram lentamente e o tratamento pode ter menos sucesso ou deve ser mais longo e podem aparecer mais crises. Por último, algumas pessoas não apenas têm outros problemas psicológicos graves, mas também estão gravemente comprometidas com outras pessoas que as acusam de ter abusado delas. O tratamento é muitas vezes longo e caótico e tenta reduzir e aliviar os sintomas, em vez de alcançar a integração. Às vezes, inclusive um paciente com mau prognóstico melhora o suficiente com a terapia para lidar com o transtorno e começar a dar passos rápidos em direção à recuperação.

Para mais informações sobre outros tipos de transtornos psiquiátricos, recomendamos a leitura do artigo "Transtorno Bipolar – O Que é e Quais São os Tipos de Transtorno Bipolar".