Tudo Sobre A Amigdalectomia

As amígdalas são um acúmulo de tecido linfático localizado em ambos os lados da garganta, que intervém na luta contra a doença em etapas precoces da vida. No entanto, as amígdalas podem ser, por sua vez, a causa de doença crônica e deixar de ter esta missão que lhes foi atribuída. Convertem-se, então, em uma fonte de problemas que podem afetar todo o organismo.

Quando É Necessária a Amigdalectomia?

A cirurgia das amígdalas é necessária quando o tratamento da amigdalite recorrente com medicamentos e outras medidas de suporte não são eficazes. É geralmente realizada juntamente com a adenoidectomia (remoção das vegetações adenoides). Embora a indicação de realizar cirurgia ou não sempre seja individualizada para cada paciente, existe uma série de indicações genéricas, tais como:

  • Quando o grande tamanho das amígdalas junto com o das adenoides interfere com a respiração provocando pausas de apneia durante o sono, ou interfere com a alimentação correta.
  • Quando existem infecções de garganta recorrentes. Se em um período de dois anos, uma criança teve de 3 a 5 gomos amigdalite anual, o otorrinolaringologista poderia avaliar a possibilidade de uma amigdalectomia, especialmente se persiste a presença de estreptococo beta-hemolítico do grupo A nos cultivos realizados apesar do correto tratamento antibiótico.
  • Quando anteriormente a pessoa já teve um abscesso periamigdaliano, já que é habitual que sejam recorrentes, podendo ser casos potencialmente graves.
  • Quando a amigdalite é causa de convulsões febris.
  • Se o tamanho das amígdalas favorece a produção de otite ou rinite de repetição.

Procedimentos da Amigdalectomia

  • Antes da intervenção se faz um estudo pré-operatório.
  • Às oito horas anteriores a cirurgia a criança deve permanecer em jejum.
  • Amigdalectomia é feita sob anestesia geral, em uma sala de cirurgia, com um anestesista que monitora em todos os momentos os sinais vitais da criança. O processo dura aproximadamente 20 minutos.
  • O cirurgião extrai as amígdalas de crianças através da boca, sem realizar incisões na pele. A operação é realizada com instrumentos específicos, que dissecam as amígdalas extraindo-as do leito amigdalar. O local de onde as amígdalas foram extraídas cicatriza sozinha em 10-14 dias.
  • Na maioria dos casos, o tempo de permanência no hospital é de 5 a 10 horas. Crianças menores de 3 anos de idade e com doenças crônicas permanecerão no hospital por pelo menos 24 horas. Na alta, o otorrinolaringologista indicará tratamento antibiótico e analgésico.

Cuidados Após a Cirurgia

Depois da amigdalectomia, aparecem na área da intervenção algumas crostas esbranquiçadas. Estas crostas não são sinais de infecção, mas a evolução normal da cicatrização da mucosa da faringe. É preciso ter muito cuidado para que essas crostas não se desprendam bruscamente para evitar sangramento. Por isso, é conveniente:

  • Repouso relativo após amigdalectomia, evitando exercícios bruscos.
  • Evite as manobras na boca que podem levar ao desprendimento das crostas (higiene dental posterior, antisséptico bucal energético, etc.).
  • Seguir uma dieta suave fria durante dois dias, que, em seguida, se tornará quente até depois do sétimo dia, no qual se começará com uma dieta normal.
  • Existem medicamentos como a aspirina que interferem com a coagulação do sangue, procure evitá-los antes e após a cirurgia.

Riscos de Amigdalectomia

Risco anestésico, como qualquer outra operação. Felizmente, graças às medidas de controlo e as novas drogas anestésicas, esse risco é mínimo. Sangramento do leito amigdalar. Pode ocorrer imediatamente após a cirurgia ou por volta do sétimo dia após a cirurgia, quando a crosta que cobre a área operada cai. Esta complicação pode ser minimizada seguindo as recomendações do seu otorrinolaringologista para o pós-operatório. Quando o sangramento ocorre na maioria das vezes é escasso e cessa espontaneamente.

Dor intensa de garganta durante a deglutição, muitas vezes irradiada para os ouvidos. É passageira e costuma responder ao tratamento analgésico. Amigdalectomia não parece influenciar de forma negativa sobre a resposta imune (defesas) do organismo. A função das amígdalas é suprida integralmente pelo resto dos tecidos linfáticos do organismo.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Confira Mais Sobre Esse Assuto