A banda gástrica um dos métodos menos invasivos no momento de tratar a obesidade, não é um tratamento de todo reconhecido em alguns países, apesar da sua ampla trajetória e benefícios, os quais podem se transformar em inconvenientes se não se leva a cabo um acompanhamento adequado do paciente. Este fato poderia explicar sua escassa influência em alguns países.

Efeitos da Banda Gástrica no Paciente:

Confirmada sua eficácia na realização da perda de peso, a banda gástrica permitirá aos pacientes experimentarem um emagrecimento gradual, perdendo uma média entre 0, 5 e 1 kg por semana durante o primeiro ano.

Estamos diante de um processo reversível que não chega a alterar a anatomia do próprio paciente nem gera modificações constantes no estômago nem nos intestinos, tudo isso para não mencionar que sempre pode ser retirada quando se considerar oportuno. Dependendo da evolução experimentada pelo paciente, a banda gástrica irá se ajustando reduzindo ou aumentando a capacidade do estômago.

O risco de má absorção é menor quando comparada com outros procedimentos, como o by-pass gástrico, dado que a banda permitirá em todos os momentos a absorção normal dos nutrientes essenciais para o organismo do paciente. Diante de outra classe de intervenções, a banda gástrica apresenta um número mais reduzido de desconfortos e complicações associadas ao ser tratada, como comentamos em linhas anteriores, de uma técnica menos agressiva.

Banda Gástrica: Tratamento Seguro e Eficaz Para a Obesidade

Junto com isso, podemos destacar o fato de que a banda gástrica é um procedimento laparoscópico simples, com uma breve estadia no hospital que envolveria entre um e três dias.

Leia também: “Prós e Contras da Banda Gástrica“.

A que se deve o pouco reconhecimento da banda gástrica em alguns países?

No entanto, a presença de inconvenientes como sua extração por um desgaste da banda, sua relocalização por um deslocamento da mesma ou uma lenta perda de peso inicial lento podem ser algumas das razões que explicariam o fato de que este tratamento não seja de tudo reconhecido como merece em alguns países, ao contrário do que acontece em outros países como França, Estados Unidos ou Austrália, onde esta técnica é amplamente utilizada.

Em qualquer caso, é preciso ter em mente que todos esses inconvenientes não terão lugar se são cumpridos dois fatores fundamentais. Por um lado, que o especialista médico realize um acompanhamento adequado do paciente e, por outro, que este último não visite regularmente seu centro médico para verificar qual é o seu progresso ou se recuse a cumprir com o protocolo estabelecido pelo próprio centro.

“Na maioria dos fóruns científicos se questiona sua eficácia tendo sido relatado um número de reoperações para conversão para outra técnica por fracasso do procedimento ou por complicações em longo prazo derivadas do mesmo. Com base em nossa experiência, tais fracassos não ocorreriam se seguimos o protocolo de monitoramento aplicado em outros centros médicos a nível internacional que acumulam uma vasta experiência com este tratamento”, são algumas das palavras lançadas pelo Dr. Jesús Lago, especialista em cirurgia da obesidade.

Os estudos realizados a respeito nos mostram uma realidade muito diferente do que se considera nesses fóruns, como antes declarava o médico, dado que se fornece uma melhoria significativa na porcentagem de perda de excesso de peso.

Juntamente com a completa análise do Dr. Jesús Lago, sob a denominação de “A banda gástrica ajustável para tratamento da obesidade mórbida: são responsáveis os resultados mundiais na Espanha? Análise de 132 pacientes tratados nos últimos 10 anos” e os excelentes resultados conseguidos pelos pacientes confirma que a banda gástrica é um tratamento seguro e eficaz para a obesidade mórbida.