Remédios Para Emagrecer: Sua Eficácia E Riscos

Muitas vezes as pessoas que precisam emagrecer recorrem aos suplementos naturais que colaboram com a perda de peso, mas também existem aqueles que têm problema de obesidade, e para os quais esses recursos não são suficientes.

Para este grupo de pessoas, quando o médico recomenda porque a necessidade de reduzir os quilos é urgente e imediata, as pílulas para emagrecer são uma grande ajuda. Neste artigo detalhamos quais são as pílulas para emagrecer que funcionam, incluindo os seus efeitos colaterais e restrições.

Orlistat. É um medicamento que permite bloquear a absorção de gorduras dos alimentos em mais de 25%. É aprovado para uso em longo prazo, mas seus efeitos colaterais podem incluir gases, cólicas, movimentos intestinais mais frequentes e gordura nas fezes.

Orlistat deve ser consumido juntamente com uma dieta de muito baixo teor em gordura e também é necessário tomar uma multivitamínico todos os dias, já que pode bloquear a absorção de algumas vitaminas.

Sibutramina. A sibutramina é vendida apenas sob prescrição médica, e inclusive em alguns países foi proibida, devido ao fato de que pode ser prejudicial para o coração em algumas pessoas.

Este medicamento mantém o apetite sob controle ao alterar os níveis de serotonina e noradrenalina, apenas é administrado para pessoas obesas e com sobrepeso, com um IMC de 27 ou superior.

Os efeitos colaterais são a hipertensão arterial e aumento do risco de acidente vascular cerebral e ataque cardíaco.

Lorcaserina. É um medicamento inibidor do apetite aprovado para uso em longo prazo, cabe destacar que pode ser eficaz para algumas pessoas, mas não funciona em todos os casos.

Leia também: "Remédios para Emagrecer: Riscos e Precauções".

Se o medicamento é tomado durante 3 meses sem perder 5% do peso, é pouco provável que funcione.

Não pode ser utilizado em mulheres que estão planejando uma gravidez, e obviamente menos ainda em grávidas. Pode ter interações com a medicação para a depressão.

Seus efeitos colaterais são dores de cabeça, náuseas, fadiga, tontura, constipação e boca seca.

Metformina e Exenatida. Estes são medicamentos que são administrados de forma combinada, no caso de obesos diabéticos, e cada um proporciona efeitos diferentes.

A metformina é utilizada para aumentar a sensibilidade à insulina e os níveis de açúcar no sangue, enquanto a exenatida mantém os alimentos no estômago durante mais tempo, o que ajuda a reduzir a sensação de fome.

É importante ressaltar que são recomendados apenas para diabéticos com IMC de 25 ou superior, e os efeitos colaterais são diarreia, cólicas, náuseas e dor de estômago.

Phentermine. Este medicamento é uma anfetamina que apenas se prescreve para uso em curto prazo. Ajuda a reduzir o apetite, mas apresenta muitos efeitos colaterais e um risco muito significativo de dependência.

No caso dos diabéticos que tomam, é preciso ajustar a sua dose de insulina durante várias semanas.

Os efeitos colaterais deste medicamento são extensos e variam desde tremores das mãos até insônia, palpitações, dor no peito e tonturas. Não deve ser tomado a noite, e também pode afetar a capacidade de conduzir ou manejar maquinários.

Fentermina e Topiramato. O topiramato é um medicamento contra a enxaqueca e as convulsões. O medicamento com o qual se comercializa se chama Qsymia e pode ser utilizado em longo prazo, já que contém uma dose muito baixa de anfetamina.

Gera uma sensação de saciedade por mais tempo, e acelera a queima de calorias, a combinação desses dois medicamentos pode ajudar a perder até 3% do peso corporal em 3 meses.

Os efeitos colaterais são alteração do sentido do paladar (sabor dos alimentos se sente menos atraente), tonturas, constipação, boca seca e insônia.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

;
Confira Mais Sobre Esse Assuto