Apesar de estabelecer-se como uma operação eficaz para tratar a obesidade, é possível que o by-pass gástrico, com o passar de cinco ou seis anos, possa falhar e, portanto, deixe de cumprir com seus deveres de satisfazer o paciente como consequência de que a boca de anastomose volta a dilatar.

A partir da aplicação de técnicas endoscópicas, a reparação do by-pass gástrico para evitar possíveis falhas e cumprir o seu propósito de reduzir o nível de ingestão calórica, consistirá em uma simples sessão sem necessidade de internação.

Reparação do By-pass Gástrico Com Técnicas Endoscópicas:

30% dos pacientes tratados com by-pass gástrico começam a ganhar peso, dois anos após a intervenção, aumentando para 66% o número de pacientes ao longo de 4 anos. Precisamente, se, nestes casos, não é realizada a revisão e reparação do by-pass gástrico conveniente é possível que o paciente volte a sofrer de obesidade. É provável que nunca se chegue aos níveis anteriores à intervenção, mas sim é possível experimentar um aumento de peso considerável com todas as consequências a nível físico e psicológico que possam existir para o paciente.

Para evitar este tipo de falhas, até o momento, a solução passava por submeter o paciente a uma nova operação laparoscópica, com todos os riscos que envolvem este retorno à cirurgia para o paciente, a fim de conseguir que a referida boca de anastomose volte a se fechar.

Como acontece com a cirurgia laparoscópica, o principal objetivo deste método é o de diminuir a capacidade do estômago até conseguir novamente a sensação de saciedade. No entanto, uma das principais diferenças em relação a estas técnicas de cirurgia é que não se mostram invasivas para o paciente e, portanto, não em se geram incisões corporais, já que o procedimento é realizado por via endoscópica.

Além de ser um processo menos doloroso e mais eficaz, ao mesmo tempo, envolve um menor tempo de hospitalização dado que não precisa de um ingresso prévio ao tratamento, obtendo o sua alta, horas depois de concluir com este método.

Em qualquer caso, é preciso ter em mente que este tratamento pode envolver uma série de complicações. Neste sentido, existem casos em que o conduto do estômago pode chegar a contrair ao extremo, gerando algum tipo de desconforto no momento de engolir ou, inclusive, impedindo a ingestão. O médico especialista apenas terá que dilatar o estômago novamente e assim o paciente poderá engolir sem dificuldades.

Os melhores resultados obtidos a partir das muitas diversas alternativas de endoscopia bariátrica, como é o caso do inovador Método Aspire (também conhecido como by-pass gástrico externo sem cirurgia), o Método Pose e o Balão Intragástrico, mostram que o presente e o futuro do tratamento da obesidade são baseados no desenvolvimento da endoscopia bariátrica (conceito que se refere ao uso da endoscopia para o tratamento da obesidade), algo que a equipe médica acima mencionada tem se esforçado para dar a conhecer em diversas conferências internacionais.