Se você tiver uma doença cardíaca ou está em alto risco de sofrer um infarto ou acidente vascular cerebral, é provável que o seu médico recomende que você tome anticoagulantes. Em Saúde Dicas te contamos o que são e como funcionam, para que esteja bem informado antes de tomá-los.

Como Funcionam os Anticoagulantes

Não é preciso ser um cientista para entender um pouco qual é a função dos anticoagulantes, pois o próprio nome diz… “anti-coagulante”. Ou seja, esse tipo de medicamento é responsável por evitar que se formem coágulos ou pequenos grumos no seu sangue. Isso evita a obstrução de alguma artéria ou alguma veia e diminui o risco de desenvolver um ataque cardíaco ou um acidente vascular cerebral ou um derrame (quando um coágulo obstrui um vaso sanguíneo que alimenta o seu cérebro).

Também são frequentemente chamados de diluentes de sangue, embora este nome possa ser confuso, pois realmente não diluem o sangue, mas que impedem a coagulação. Este é um esclarecimento importante, porque tomar um anticoagulante não significa dizer que os coágulos que já se encontram em seu sangue serão diluídos ou desfeitos. Estes medicamentos apenas se encarregam de evitar que se formem novos coágulos.

Como Funcionam os Anticoagulantes ou Diluentes do Sangue

Existem dois tipos de anticoagulantes. Os primeiros se conhecem simplesmente como anticoagulantes, e mediante reações químicas que fazem com que o seu sangue demore mais tempo para formar coágulos. Entre os mais conhecidos nos Estados Unidos estão: dicoumarol, warfarin (Coumadin) e anisinidione (Miradon).

Alguma vez você já ouviu que alguém tomou aspirina para o coração? Pois, esse é o segundo tipo de anticoagulante, também conhecido como medicinas antiplaquetárias. Estes se encarregam de evitar que as plaquetas (células que se encontram no sangue) se agrupem para formar coágulos.

Mas o fato de ajudar a prevenir ataques cardíacos ou derrames não quer dizer que qualquer um deve tomar anticoagulantes. Seja cuidadoso! Estes medicamentos apenas devem ser tomados quando prescritos pelo seu médico ou o seu cardiologista e devem ser tomados de acordo com as instruções por ele (a) dadas.

Os anticoagulantes são geralmente prescritos para pessoas com doença cardíaca, como fibrilação atrial, flebite ou que têm certos defeitos congênitos (de nascença). Assim como para as pessoas que estão em alto risco de sofrer do coração, porque são obesas ou tiveram uma cirurgia das válvulas do coração, por exemplo.

Leia também: “Chá Preto – Contra Doenças Cardíacas“.

Quanto você deve tomar? Para definir qual a dose que você precisa, o cardiologista realizará um exame de sangue para avaliar o nível de coagulação e assim definir o quanto de diluente você precisa. E deverá realizar exames regulares para verificar se a dose permanece adequada de acordo com as suas necessidades que podem variar. Se a dose não é suficiente você não estará recebendo o benefício, se a dose for elevada, você poderia ter hemorragia. É importante que a dose esteja no nível terapêutico que te proporcionará o que precisa com um mínimo de risco.

Se o seu médico recomendou que você comece a tomar anticoagulantes, leve em conta que você também deve tomar várias precauções. Por exemplo, não é aconselhável tomá-los em combinação com certos medicamentos, suplementos ou ervas, pois pode alterar o seu efeito. Tampouco é recomendado tomá-los quando você já passou ou vai passar por um procedimento médico (cirurgia), pois ao diluir o seu sangue pode provocar uma hemorragia. Inclusive, se você tem períodos menstruais muito fortes ou faz esportes nos quais corre o risco de se acidentar facilmente, não é aconselhável tomar anticoagulantes, pela mesma razão.

E as precauções não param por aí. Na maioria dos casos, o seu médico te indicará algumas mudanças em sua dieta, especialmente para evitar alimentos que contenham vitamina K (fígado, peixe, espinafre>, couve-flor, brócolis), pois reduzem o efeito do medicamento ou te recomendará que não varie a sua dieta. Além disso, tampouco você deve fumar ou beber bebidas alcoólicas enquanto toma anticoagulantes. O álcool aumenta o efeito do anticoagulante.

Os anticoagulantes podem ser muito positivos para a sua saúde, mas devem ser levados a sério. Porque com o sangue não se joga, pois é o nosso líquido vital e devemos protegê-lo ao máximo.