Neste artigo trataremos de explicar os perigos dos analgésicos: remédios naturais como substitutos. Veremos que são muitos e que podem prejudicar seriamente o organismo. Enquanto por um lado a indústria farmacêutica deveria ter como objetivo oferecer aos pacientes a ajuda de que necessitam para o tratamento das distintas doenças, muitas vezes esta ajuda se transforma em um lucro constante.

Inclusive os avanços científicos que, sem dúvida, são orientados para o bem-estar de todas as pessoas, terminam sendo convertidos em negócios. Não há dúvida de que a medicina outorga grandes benefícios para a humanidade. No entanto, a imensa publicidade faz com que as pessoas abusem dos medicamentos sem receita médica. Disso se encarrega a publicidade em uma sociedade de consumo que faz com que o consumo destes medicamentos se transforme em um consumo nocivo.

Os Perigos dos Analgésicos:

Os perigos dos analgésicos que pareciam medicamentos inofensivos se baseia no perigo sobre as pessoas que os consumiam sem receita médica e, em seguida, começaram a usar heroína. Esse consumo não se originou de imediato, mas depois de 5 anos e significa um firme perigo no consumo dos analgésicos.

Por exemplo, o ibuprofeno é um anti-inflamatório não esteroide que, junto com John Nicholson, Colin Burrows e Andrew Dunlop, descobriu Stewart Adams em 1961. O ibuprofeno é consumido como anti-inflamatório com frequência para aliviar a dor de cabeça, dores musculares ou dores dentais. Também se consome como parte do tratamento de artrite gotosa, a artrite reumatoide. Em momentos de dor, o consumo do ibuprofeno é essencial.

Dicas de Remédios Naturais Como Substitutos dos Analgésicos

Embora Adams tenha comprovado por si mesmo o efeito do ibuprofeno para a ressaca com um resultado eficaz e é, também, um dos analgésicos de maior consumo, tem aspectos negativos. The Lacent, a revista médica especializada, anunciou as complicações gastrointestinais que ocasiona o seu consumo excessivo. Na verdade, este consumo excessivo, além das complicações gastrointestinais, também afeta o sistema cardiovascular e a nível do intestino delgado.

Por esta razão, no Reino Unido, foi realizada uma pesquisa médica que publicou The Lacent após a qual se recomendou a redução da prescrição de ibuprofeno, a qual apenas deve ser ajustada aos casos imprescindíveis. Na verdade, anunciou também que é necessário procurar tratamentos alternativos, tanto quanto possível. Mas é fundamental a sua substituição quando se conhecem os antecedentes familiares de doença cardíaca ou quando a pessoa é um paciente de risco como, por exemplo, se sofre de hipertensão ou hipercolesterolemia.

Na verdade, o mesmo estudo revelou que os pacientes que consomem em excesso o ibuprofeno apresentam um maior índice de ataques de coração, especialmente quando esse excesso sobe acima de 2400 mg por dia. Por isso, algumas marcas comerciais não colocaram à venda a dose superior a 400 ou 600 miligramas.

O Centro Nacional de Biotecnologia fez uma publicação sobre o ibuprofeno e sua incidência como medicamento de risco em relação a problemas intestinais. Inclusive Alessio Fasano, diretor do Centro de Pesquisa Celíaca do Hospital Central de Massachusetts, disse que quando se consomem os fármacos não esteroides, como o ibuprofeno, a doença celíaca é um desencadeante.

Leia também: “Saiba Mais Sobre Analgésicos“.

Remédios Naturais Como Substitutos dos Analgésicos:

Para evitar os perigos dos analgésicos a melhor alternativa são os remédios naturais que formam os seus substitutos, como:

Quina. Da quina se utiliza sua casca como medicamento na época pré-colombiana do Equador, Colômbia e Peru. Foi no ano de 1931, quando seus benefícios medicinais foram reconhecidos na Europa graças à Agustino Salumbrino, um farmacêutico que pertencia ao maior colégio de San Pablo de Lima, envia Alonso Messia Venegas, um jesuíta levou a quina para Roma.

Entre sua composição se encontram alcaloides, como a cinchonidina, a quinidina e a quinina, além de componentes adstringentes como trímeros, dímeros e taninos proantocianidinas e ácidos orgânicos, compostos de terpeno.

A Casca de Salgueiro. A casca de salgueiro é um analgésico natural que apresenta em sua composição salicina como a aspirina, pois é a mesma substância presente em muitos outros medicamentos que se orientam para aliviar as dores. Para seu uso se prepara uma infusão com uma pequena porção de casca de salgueiro em água fervida e se consome a cada oito horas. É uma planta medicinal para aliviar dores, como a cefaleia tensional.

Óleo de Hortelã. O óleo de hortelã é outra das alternativas que funciona como substituto dos analgésicos. Neste caso, funciona de modo tópico para realizar massagens, com uma ação sedativa sobre as áreas com dor.

Unha de Gato. A unha de gato como substituto dos analgésicos farmacológicos funciona com sua ação anti-inflamatória como, por exemplo, para o tratamento da gota, artrose e artrite. É consumida em infusões a partir da decocção da casca seca, 5 gramas por xícara de água fervendo. Também é possível consumir unha de gato em cápsulas como extrato padronizado de 300 miligramas, pois as indicações para o seu consumo podem ser lidas no prospecto das cápsulas.

Veneno de Abelhas. O veneno de abelhas, com seu poder anti-inflamatório, é conhecido há mais de 3000 anos. É usado para o tratamento de dores, graças ao fato de que essas substâncias têm ação analgésica, pois estimula a circulação em áreas de baixa irrigação, como as cartilagens e os ossos. Também aumenta a secreção de cortisol plasmático, que é um estimulante da glândula pituitária adrenal.

Chile. próprio Chile que se incorpora como ingrediente nas refeições conta com capsaicina como parte de uma substância que, além de outorgar a típico ardência, ajuda de maneira tópica em forma de pomadas ou cremes na redução da sensibilidade nervosa.