Quer conhecer qual é a vacina para a rubéola? Esta última é causada por um vírus que se transmite de pessoa para pessoa em gotículas de muco, que saem expelidas ao tossir ou espirrar no meio ambiente. Trata-se de uma doença leve, que apresenta sintomas tais como febre de baixo grau e nódulos linfáticos inchados na parte de trás do pescoço, seguidos por uma erupção generalizada.

As complicações que podem ocorrer são dor nas articulações, diminuição temporária do número de plaquetas e encefalite; em adolescentes e mulheres adultas pode produzir artrite temporal.

Síndrome da Rubéola Congênita:

A rubéola em mulheres grávidas muitas vezes leva à síndrome da rubéola congênita em seus fetos, que é uma doença devastadora caracterizada por surdez, retardo mental, catarata e outros defeitos oculares. Além de defeitos cardíacos e doenças do fígado e baço que podem levar a uma baixa contagem de plaquetas com sangramento sob a pele.

Saiba Mais Sobre a Vacina Para a Rubéola

A incidência e gravidade dos defeitos congênitos são mais elevadas, se a infecção ocorre durante o primeiro mês de gestação. Até 85% das mulheres grávidas infectadas no primeiro trimestre terão um aborto espontâneo ou darão à luz bebês que sofrem desta síndrome. Por isso é muito importante conhecer a vacina para a rubéola para prevenir este tipo de doença em nosso organismo.

Leia também: "Anti-Rubéola Vacina de Vírus Vivo (Injetável)".

Vacina Contra a Rubéola:

O número de casos de rubéola tem diminuído drasticamente desde que foi autorizada a vacina contra a rubéola, vacina que devem receber todas as crianças a partir de 12 meses e os adultos suscetíveis.

Devido ao risco de sofrer síndrome da rubéola congênita, é especialmente importante que as mulheres pós-púberes sejam imunes à rubéola, mas as pessoas suscetíveis devem se vacinar quando se sabe que não estão grávidas; no caso das mulheres grávidas suscetíveis frequentemente se administra imediatamente após o parto.

As pessoas suscetíveis à rubéola que trabalham em instituições de ensino e centros de acolhimento de crianças devem ser vacinadas para prevenir a transmissão do vírus da rubéola em mulheres grávidas, assim como para sua própria proteção.

Se você está interessado no tema das vacinas e quando administrá-las, recomendamos a leitura do nosso artigo "Quantas vacinas existem".

Você conhecia estas informações sobre a vacina contra a rubéola?