"Várias catástrofes e tragédias ocorreram em diversas partes do mundo, como o Japão e a Rússia, mas a dúvida que surge é sobre como elas poderiam afetar a nossa vida diária e especialmente a nossa saúde. Já é sabido que a tragédia no Japão fez com que a água e os alimentos se tornassem contaminados com radioatividade, o que é muito prejudicial para a saúde."

Estamos cada vez mais acostumados com o governo mentiroso. Dizem que nada acontece quando o mundo está desmoronando. O Japão foi à exceção? Agora eles descobriram alimentos radioativos do terremoto no Japão, o mais forte dos últimos 140 anos, não deixou apenas ondas de dez metros, mas também um mundo de desolação e incerteza, mais uma vez a fragilidade veio à tona, vulnerabilidade e risco em usinas nucleares. A central de Fukushima, seriamente afetada, começou a ver as graves consequências: a falta de eletricidade, alimentos contaminados, entre outras coisas.

Seria muito ingênuo da nossa parte pensar que “nada aconteceu”, como mais uma vez os políticos nos fizeram acreditar. Como podemos ser tão ingênuos e acreditar que nada aconteceu quando as partículas radioativas foram detectadas em Vladivostok, na Rússia, a 800 quilômetros da zona de conflito? Será que as partículas voaram em linha reta indo todas para a zona russa sem se espalhar?

É óbvio que a radiação se estende para todos os lugares com mais ou menos a mesma intensidade. 800 quilômetros a norte, sul, leste e oeste. Isso não afeta os alimentos e a água? Claro!

Detectaram altos níveis de radioatividade no leite e outros produtos agrícolas ao redor da área de desastre. Espinafre têm mostrado altos níveis de radioatividade.

Como é o alimento contaminado?

Até agora sabemos que, como dizem os especialistas os níveis de água foram detectados por iodo radioativo acima de 900 becquerel (unidade de medida radioativa). Sabemos que o nível permitido é de 300, podemos imaginar a extensão dos danos. E os fabricantes se atrevem a dizer que os níveis não são perigosos.

Os locais onde foram detectados níveis elevados de radioatividade estão em áreas ao sul de Fukushima, mais precisamente nas províncias de Gunma, Tochigi e Chiba. Enquanto as autoridades dizem que não representam uma ameaça para a saúde.

Um dos alimentos que sabemos seu grau de contaminação é o espinafre. Excedeu 27 vezes o limite legal de radioatividade.