Entre os métodos contraceptivos menos eficazes se encontra o chamado coito interrompido. No entanto, de acordo com um novo estudo, uma de cada três mulheres jovens nos Estados Unidos o utiliza para evitar a gravidez. E você, qual método prefere? Descubra mais detalhes sobre esta escolha e como você pode ter relações sexuais seguras e saudáveis.

Ter um filho é uma das coisas mais maravilhosas que podem acontecer a um casal. No entanto, a chegada de um bebê muda a vida a dois completamente, por isso é importante que possam escolher quando e como desejam fazê-lo. Atualmente, existem diferentes métodos de controle de natalidade ou métodos anticoncepcionais que podem ajudar a evitar a gravidez e planejar a maternidade.

Entre os menos eficazes para evitar a gravidez se encontra o chamado método do coito interrompido ou “reverso”, que consiste em que o homem ejacule fora da vagina. No entanto, muitas jovens e adolescentes, decidem usar este método antigo. Especificamente, um terço das mulheres jovens americanas o escolhem, de acordo com um estudo recente publicado na revista Obstetrics & Gynecology.

Para alcançar estes resultados, os pesquisadores do Centro Médico da Universidade Duke, na Carolina do Norte, analisaram os dados de uma pesquisa nacional de mulheres nos Estados Unidos, de 2006 a 2008, considerando em particular 2.220 participantes que tinham entre 15 e 24 anos de idade.

Coito Interrompido: Pouco Confiável, Mas Muitas Jovens Continuam Utilizando

Assim, descobriram que 31% das mulheres tinham usado o coito interrompido como forma de contracepção, pelo menos uma vez. Entre elas, 21% ficaram grávidas sem querer e 7,5% mostraram mais probabilidades de ter utilizado contracepção de emergência.

Os motivos que levaram a escolha podem ser muito variados. E se por algum motivo você está pensando em usar o método do coito interrompido (ou outro método natural), também deve levar em conta que existem algumas precauções que você deve considerar, ou as suas chances de que o método falhe serão ainda maiores.

Nestes casos, é preferível ter um parceiro com quem você possa falar abertamente sobre o tema, que ambos se compreendam no sexo, que o homem reconheça o momento de “retirar” e que você também conheça bem o seu período menstrual.

Estima-se que 27 de cada 100 mulheres que usam esta alternativa ficam grávidas. Se você não quer correr esse risco, lembre-se que existem outros métodos contraceptivos mais eficazes, cada um com suas vantagens e desvantagens, entre os quais você pode escolher de acordo com o que te parece mais adequado. Os mais conhecidos são:

Aliás, esta é outra coisa muito importante que você deve considerar. Pois o método do coito interrompido não te protege contra as doenças sexualmente transmissíveis, o que, por vezes, pode colocar em risco a sua vida, como acontece com HIV/AIDS e hepatite, para citar algumas. Assim, se, além de evitar a gravidez, você deseja proteger a sua saúde e o seu futuro, não se esqueça de usar um preservativo, que no momento é o método mais adequado para reduzir o risco de contágio por DST.

Aprenda a escolher, armazenar e usar o preservativo corretamente, leve um com você sempre (e isso também vale para as mulheres) para que estejam preparadas em todos os momentos e não se exponham, no caso de a possibilidade de fazer sexo não tenha sido planejada. Na verdade, esta é uma situação que costumam levar à negligência e a escolher métodos, como o coito interrompido.

Em conclusão: o sexo é uma das atividades mais prazerosas e saudáveis para os homens e para as mulheres e a gravidez pode ser um presente da vida, quando é planejada, mas não acontece o mesmo quando não é desejada, ou pior ainda, quando se trata da transmissão (o contágio) de alguma doença. Por isso, informe-se e cuide-se para ter relações sexuais responsáveis, seguras e saudáveis.