Aprender a reduzir o colesterol sem medicamentos é importante, especialmente, quando existem antecedentes familiares de doenças cardíacas, já que se não for devidamente controlado tenderá a elevar o seu nível. Nessas ocasiões a recomendação das estatinas é comum para estabilizar os níveis de colesterol. Mas as estatinas apresentam efeitos colaterais e, como devem ser tomadas em longo prazo, resulta desconfortável e muitas pessoas se recusam ao seu consumo.

Por esta razão, a mudança na dieta é uma opção que beneficia sem necessidade do consumo de estatinas. A maior parte do colesterol se produz no fígado, para depois enviá-lo, junto com as lipoproteínas LDL, as células que requerem seu uso. O LDL é o que se conhece comumente como colesterol ruim, já que quando seus níveis são elevados provocam o risco de doença cardíaca. O HDL é a proteína de alta densidade que se conhece como colesterol bom, já que é a encarregada de eliminar o colesterol das artérias para levá-lo ao fígado. Cabe destacar que o nível de colesterol LDL não deve superar os 3 ml por litro, enquanto que o HDL deve ser mantido sobre 1 1 ml por litro. Neste artigo, te explicaremos como reduzir o colesterol sem medicamentos.

Leia também: “Como Reduzir o Colesterol Com Remédios Naturais“.

Como Reduzir o Colesterol Sem Uso de Medicamentos

Como Reduzir o Colesterol Alto:

Scott Harding realizou um estudo científico no King’s Collegew London com 42 pessoas voluntárias que estavam preocupadas com o seu nível de colesterol e buscavam uma opção para mantê-lo estável, sem medicação. A seguir, enumeramos as distintas fases do estudo:

  • O estudo começou com as amostras de sangue para verificar o nível total de colesterol.
  • As 42 pessoas foram divididas em três grupos.
  • O grupo 1 substituiu o consumo de gorduras animais.
  • Ao grupo 2 foi orientado que não substituíssem nenhum alimento, mas foram incluídas 75 gramas de aveia por dia, ou seja, três porções de aveia na dieta. A aveia, como as verduras e os legumes, fornece fibras que ajudam a diminuir o nível de colesterol, pois se adere ao colesterol e a gordura no intestino e evita que seja absorvido.
  • O grupo 3 consumiu alimentos como de costume e teve adicionado à dieta dois punhados de amêndoas por dia.
  • Ambos os grupos foram estudados durante 4 semanas consecutivas.
    • Cabe destacar que as amêndoas como frutos secos fornecem esteróis vegetais e fibras que retardam a absorção de colesterol e das gorduras. Se for realizada a dieta com a proposta dos três grupos em seis meses, é possível reduzir o nível de colesterol ruim em 13%.

      O melhor resultado foi observado no grupo de voluntários que incorporaram as amêndoas, embora alguns que pertenciam a este grupo não tenham conseguido uma resposta positiva, porque o nível de colesterol aumentou, mas não de uma maneira significativa. Alguns dos que consumiram a dieta sem gorduras animais e aqueles que consumiram creme de aveia tiveram bons resultados, com uma redução do nível de colesterol ruim entre 10% e 13%. No entanto, ao escolher como opção todas as propostas dos três grupos foi possível reduzir em 42% o nível de colesterol, já que este tipo de dietas funcionam como as estatinas.

      Leia também: “Três Terapias Alternativas Que Combatem o Colesterol Elevado“.

      Dieta Para o Colesterol Alto:

      Portanto, a dieta para o colesterol elevado se baseia na redução do consumo de alimentos que são fontes de colesterol.

      Por exemplo, diminuir o consumo de todos os tipos de carnes, vísceras, carne de porco, creme de leite, queijos curados, alimentos processados, leite integral, banha de porco.

      No momento de escolher os alimentos, a melhor opção é a dos alimentos de baixo teor de gordura, pois fornecem nutrientes com uma baixa porção de colesterol. Por exemplo, o iogurte de baixa gordura, o queijo desnatado, o leite desnatado, a carne de peixe, o atum, a carne de frango sem pele, a carne de vaca sem gordura são alimentos com um baixo fornecimento de colesterol ou com zero colesterol.

      O truque desta dieta é tentar encontrar alternativas que sejam saudáveis, mas também é importante mudar a maneira de cozinhar os alimentos. Por exemplo, as carnes devem ser cozinhadas grelhadas, assadas, cozidas, no vapor em vez de refogar ou fritar as carnes. Inclusive é melhor utilizar o azeite em spray e, em caso de utilizar o azeite de oliva, de milho, de girassol ou de soja, use-os com moderação.

      Por sua vez, é necessário aumentar o consumo de alimentos ricos em fibras. As fibras se encontram presentes no grão de bico, lentilhas, arroz integral, farinha integral, aveia integral, gérmen de trigo, farelo de aveia e cereais integrais. Também é importante o consumo de frutas, pelo menos três vezes por dia, além de vegetais tanto no almoço como no jantar. No entanto, as frutas devem ser consumidas com a pele, porque é a pele que fornece as fibras (desde que sejam aptas para o consumo). No caso das tangerinas, limão, abacaxi, manga ou laranja devem ser consumidas com a polpa.

      Por último, é necessário o consumo de água, já que ajuda a mobilizar as gorduras corporais, mas deve-se evitar o consumo de bebidas alcoólicas porque aumenta o nível de colesterol.

      Em conclusão, o colesterol é um esterol, ou seja, uma gordura natural comum no organismo, especificamente presente nas membranas celulares. Quando aumenta o nível normal de colesterol, isso provoca depósitos de gordura nas artérias, com isso causa aterosclerose, doenças vasculares periféricas, acidentes cerebrovasculares e, também, forma ateromas.