Muito estudos já demonstraram que o consumo de álcool está ligado a vários tipos de câncer, mas ninguém sabia como. No entanto, uma investigação descobriu exatamente a forma como o álcool poderia aumentar o risco de desenvolver esta doença. Para estar bem informada (o), e para receber dicas saudáveis para evitar o câncer, continue lendo.

Certamente você já leu ou ouviu, através de Saúde Dicas e outros meios de comunicação, que o consumo de álcool aumenta o risco de desenvolver várias doenças, entre elas muitos tipos de câncer. O álcool é um dos fatores de risco para o desenvolvimento de alguns tipos de câncer, como o de mama, de boca, de laringe e faringe e de esôfago, assim como câncer de fígado, de ovário, de estômago e o câncer colorretal. Agora, um grupo de pesquisadores da Universidade de Minnesota, em Minneapolis, Estados Unidos, encontrou os dados que poderiam explicar por que isso acontece.

Segundo os resultados, apresentados em uma reunião anual da Sociedade Química Americana, quando o corpo metaboliza (ou decompõe) o álcool, se forma uma substância chamada acetaldeído, que tem uma composição química similar a do formaldeído, que é um conhecido agente cancerígeno que pode danificar o DNA.

O Álcool aumenta o Risco de Desenvolver Câncer: Explicamos Como e Quanto

Como chegaram a essas conclusões? Pois os pesquisadores deram doses crescentes de vodka, uma vez por semana a dez voluntários durante três semanas. E descobriram que os níveis de aductos de ADN (que são as formas de ADN que resultam de uma exposição a substâncias cancerígenas), aumentaram até cem vezes nas células da mucosa oral (boca) dos participantes, horas após cada dose, embora os após 24 horas os níveis se reduziam.

Os pesquisadores explicaram que a maioria das pessoas que bebem socialmente não desenvolver câncer, porque tem uma enzima chamada álcool desidrogenase, que converte o acetaldeído em uma substância chamada acetato, que não faz mal.

O problema é que algumas pessoas não podem converter o acetaldeído em acetato, porque têm uma variante do gene de álcool desidrogenase e, portanto, são mais propensas a desenvolver câncer de esôfago por beber álcool.

Por exemplo, detalharam que cerca de 30% das pessoas de ascendência asiática têm esta variante e que os americanos nativos e os nativos do Alasca também têm uma deficiência na produção dessa enzima.

Como estas conclusões foram apresentadas em uma conferência, devem ser consideradas como preliminares até que sejam publicadas em uma revista revisada por profissionais. Enquanto isso se lembre de que existem outros hábitos saudáveis que podem ajudar a reduzir o risco de desenvolver câncer. Tome nota:

  • Fazer exercício regularmente.
  • Manter um peso saudável.
  • Seguir uma dieta saudável, baseada em frutas e verduras.
  • Reduzir o consumo de carne vermelha e evitar queimá-las ao cozinhá-las.
  • Evite o tabaco em todas as suas formas (cigarros, charutos, mastigar tabaco).

Por último, se você gosta de beber ocasionalmente, em reuniões sociais ou quando sai com os amigos, lembre-se que o jeito é tomar com moderação, ou seja: no máximo duas bebidas ou dois copos, se você é um homem de 65 anos ou menos e um copo ou uma bebida por dia, se você é uma mulher ou se você é um homem de 66 anos ou mais. Leve em conta que um copo ou uma bebida equivale a 35 mililitros de cerveja, 148 mililitros de vinho ou 44 mililitros de bebida destilada.

Leia também: “O Álcool Pode Aumentar a Chance de Sofrer Certos Tipos de Câncer“.

Embora existam estudos que apoiam o consumo moderado de álcool (e, especificamente, os benefícios do vinho tinto para a saúde, especialmente para o coração), o excesso de álcool pode se converter em uma doença e pode causar vários problemas de saúde, alguns graves, como pancreatite, câncer de fígado e cirrose, que até podem colocar em risco a vida. Se você toma bebidas alcoólicas, faça-o com moderação colocando em primeiro lugar sua saúde para que você possa brindar durante muitos anos com sua família e seus amigos.