As pessoas com depressão ou diabetes têm maior risco de ter um ataque cardíaco.

Mas um novo estudo afirma que a combinação de ambas as doenças, aumenta ainda mais o risco.

“O certo seria dar mais importância a cardiologia, saúde mental e atenção primária nesta complexa população de pacientes, com isso os resultados seriam melhorados”, sugerem os autores.

Existem evidências de que a depressão agrava os resultados cardiovasculares em pacientes com diabetes tipo 2.

Para determinar o que acontece em um infarto, a equipe de Jeffrey F. Scherrer, St. Louis Veterans Affairs Medical Center, Missouri, analisou dados do Veterans Administration, mais de meio milhão de pacientes passaram por este hospital sem nenhuma doença cardiovascular nos anos de 1999 e 2000.

O estudo incluiu 77.568 pacientes com transtorno depressivo maior (TDM), 40.953 com diabetes tipo 2, 12.679 com transtorno depressivo maior e diabetes tipo 2 e 214.749 sem qualquer doença.

Leia também: “Diabetes e Depressão: Existe Alguma Relação?“.

Nos 7 anos seguintes acompanhando todos os grupos, as taxas de ataque cardíaco foram de 3,5% no grupo com transtorno depressivo maior, 5,9% no grupo com diabetes, 7,4% no grupo que contém ambas as doenças e 2,6% no grupo de controle, conforme publicado pela Diabetes Care.

Pessoas Com Diabetes e Depressão Correm Mais Risco de Sofrer Infarto

O uso de um antidepressivo durante pelo menos 12 semanas, foi significativamente associado a uma redução do risco de infarto do miocárdio.

“O estudo confirma que o transtorno depressivo maior (TDM) está associado a um aumento da probabilidade de sofrer um ataque cardíaco em pessoas com diabetes tipo 2”, concluiu a equipe.

Os autores sugerem que vários mecanismos biológicos podem explicar os resultados. Por exemplo, a TDM alteraria o autocontrole do diabetes e aumentaria o sedentarismo e outros fatores de risco comportamentais.

Além disso, induzem mudanças fisiológicas, os pacientes deprimidos têm níveis anormais de glicose e tolerância à glicose, assim como uma maior coagulação sanguínea e fibrinólise.

Em contraste, a resistência à insulina em diabéticos tipo 2 pode interferir com o tratamento da TDM, dificultando o resgate da depressão.

“É possível que aqueles que tiveram depressão e/ou diabetes por períodos prolongados tenham maior risco de sofrer um ataque cardíaco incidental”, disseram os autores.