Sexo Oral Também Tem Seus Riscos

Sim, é sexo e sim, você pode contrair uma doença sexualmente transmissível!

O sexo oral é uma prática comum entre os jovens entre 15 e 24 anos. Muitos jovens consideram que o sexo oral é menos arriscado do que a relação sexual, mas não é. É importante saber que além da tendência no comportamento sexual dos adolescentes, o risco de contrair doenças por sexo oral está presente.

Luis é um professor do ensino médio em Los Angeles, Estados Unidos. Ele contou um incidente que ocorreu recentemente em sua classe: um menino e uma menina estavam em um canto, escondidos debaixo da mesa, fazendo sexo oral. É claro que as autoridades da escola tiveram conhecimento do fato e suspenderam os alunos; não sem que seus companheiros protestassem.

A razão pela qual os suspenderam não foi por fazer sexo oral, mas por fazê-lo em público e em horário de aula. Este episódio causou um rebuliço na escola e, claro, trouxe à tona o tema do sexo oral entre os adolescentes. Uma pesquisa realizada recentemente nos Estados Unidos pelos Relatórios Nacionais de Estatísticas de Saúde (National Health Statistics Reports) fala sobre um quarto dos adolescentes com idades entre 15 e 24 anos têm feito sexo oral antes de ter relação sexual.

Sexo Oral Também Tem Seus Riscos

Leia também: "Cinco Mitos dos Adolescentes Sobre o Sexo".

Este número não surpreende nem alarma, pois para nenhum é segredo que os adolescentes se iniciam no sexo em uma idade precoce. O que é preocupante é o fato de que muitos jovens acreditam que o sexo oral não tem riscos para a saúde. De alguma forma, pensam que é uma versão menos comprometedora do que o sexo com penetração do pênis na vagina. Em parte é: é menos íntimo do que a relação sexual. No entanto, embora remeta a um tipo diferente de relação, acarreta um risco de contrair doenças sexualmente transmissíveis (DST), como o ato sexual com penetração.

Alguns médicos especialistas em doenças infecciosas da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos descobriram que existem vários estudos que indicam que entre 5% e 20% dos jovens que visitam as clínicas de DST tem gonorreia na garganta.

Embora muitas vezes não apresente sintomas, a gonorreia está se tornando mais difícil de tratar. De acordo com um relatório dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), o sexo oral também pode transmitir doenças como a clamídia, herpes, sífilis e cada vez mais se relaciona com o câncer de boca e garganta (câncer oral) devido à transmissão do vírus do papiloma humano (HPV).

Embora seja verdade que o risco de contrair doenças sexualmente transmissíveis (DST) através do sexo oral seja menor do que através de relações sexuais desprotegidas, alguns estudos indicam que inclusive pode transmitir o HIV.

Nossa recomendação para todos os jovens (e para os adultos também!) é que idealmente conheçam o seu parceiro, e tenham sexo seguro. Isso significa evitar o contato direto com o sêmen, o líquido pré-seminal ou líquidos vaginais. Para isso, você deve usar preservativo (para o sexo oral, vaginal ou anal). Dessa forma, você pode evitar a propagação de doenças sexualmente transmissíveis e gravidez.

Além disso, é importante evitar ter relações sexuais sob a influência dos efeitos do álcool ou drogas, uma vez que alteram o comportamento e capacidade de tomada de decisão.

Consulte seu médico sobre outros métodos contraceptivos disponíveis para você, além do preservativo e antes de ter relações sexuais, pense se está em um contexto seguro para sua saúde. Cuide-se!

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

;
Confira Mais Sobre Esse Assuto