Um painel de especialistas nos Estados Unidos recomendou à Food and Drug Administration desse país (FDA, por suas siglas em Inglês) que regulasse estritamente o uso de medicamentos com testosterona, já que dizem que a terapia de testosterona pode colocar em risco a saúde cardiovascular e seu uso tem se expandido sem controlar nem avaliar a saúde geral dos pacientes. Outros especialistas têm um ponto de vista diferente.

Quando chega a crise dos 40 ou da meia idade, muitos homens recorreram à terapia de testosterona porque querem aumentar sua virilidade, melhorar a memória, sua massa muscular e até mesmo seu estado de ânimo. Em suma, a usam para se sentir melhor “como homem”. Claro, também o fazem os homens que já têm 60 anos ou mais, com a intenção de se sentirem mais jovens.

No entanto, um painel de especialistas nos Estados Unidos advertiu a agência federal que regula os medicamentos (FDA) que é necessário fazer estudos detalhados para descobrir se os homens que recorrem à terapia de testosterona poderiam estar aumentando seu risco de desenvolver câncer de próstata e problemas cardiovasculares, como a formação de coágulos ou trombos. Ou seja, sugerem que sejam estabelecidos regulamentos mais rigorosos para prescrever esses medicamentos.

Terapia de Testosterona: Pode ser Perigosa?

A FDA havia aprovado a utilização de medicamentos com testosterona em alguns casos e quando o caso específico exigia. No entanto, o uso da terapia de testosterona tem se estendido desde o início da década em homens de 40 anos, e estima-se que um de cada 25 homens em seus 60 anos a toma. Em 2013, foi relatado que 2,3 milhões de americanos estavam recebendo terapia de reposição de testosterona, de acordo com o painel de especialistas.

Isso é alarmante se for levado em conta que um quinto dos homens que estão recebendo terapia de testosterona nem sequer submeteu a um exame para determinar seu nível de hormônio masculino. A isso é preciso acrescentar que, em geral, aqueles que prescrevem os medicamentos com testosterona são médicos gerais, ou de cuidados primários e apenas em 20% dos casos é um especialista (urologista ou endocrinologista).

Leia também: “Terapia de Testosterona: O que se Sabe a Respeito?“.

Terapia de Testosterona é Perigoso?

Muitos endocrinologistas indicaram no painel que a testosterona está sendo prescrita sem uma indicação clara, ou para homens que não precisam disso.
A terapia com testosterona, inclusive quando administrada seguindo exatamente as indicações e em pacientes que precisam, pode ter consequências sérias para a saúde cardiovascular, de acordo com o relatório apresentado à FDA.

Em particular, um estudo recente descobriu que o risco de acidente vascular cerebral (ataque cerebrovascular) e/ou ataque cardíaco aumentou 30% em um grupo de homens para os quais havia sido receitado, de forma recente, medicamentos com testosterona. Outro estudo descobriu que os homens com mais de 65 anos dobraram o risco de ter um ataque cardíaco após três meses tomando medicamentos com testosterona, de acordo com dados fornecidos pela FDA.

Com base nisso, a FDA alertou as empresas farmacêuticas no início deste ano que deveriam rotular os medicamentos com testosterona sobre os riscos de acidente vascular cerebral.

Por outro lado, um estudo de mais de 25 mil homens por pesquisadores do Departamento de Medicina da Universidade do Texas em Galveston recentemente publicado na Science não encontrou um aumento na incidência dos ataques cardíacos em pacientes com mais de 65 anos que foram acompanhados durante 8 anos. anos E houve outros estudos que parecem contradizer as descobertas dos estudos iniciais.

Além disso, o Androgen Study Group (Grupo de Estudo dos Andrógenos), que é um grupo multidisciplinar de urologistas, endocrinologistas, médicos de família e pesquisadores, que se dedicam à pesquisa, tentou instar a FDA a aguardar antes de colocar esse rótulo no início do ano. Eles não recebem dinheiro de nenhuma empresa farmacêutica e não têm interesses financeiros. Basearam seu pedido em estudos anteriores de 30 anos que mostraram demonstraram justamente o oposto, o risco cardiovascular dos homens com deficiência de testosterona e sua melhora quando recebiam a terapia de testosterona. E no fato de que os dois estudos em que basearam sua preocupação sobre o risco do aumento das doenças cardiovasculares, tinham problemas em como foram realizados e em um faltava o grupo de controle.

É possível que os estudos prospectivos de boa qualidade, de vários anos de duração, nos deem as respostas definitivas. E provavelmente também é verdade que não é o mesmo um jovem com hipogonadismo e níveis de testosterona abaixo do normal (confirmado com o diagnóstico realizado corretamente) que um homem de 70 anos com níveis de testosterona abaixo do normal.

O Que Você poderia fazer enquanto se resolve a controvérsia?

Isso é que sugere o Dr. Pallais de Harvard:

  • Se você se sente cansado, com baixa libido, deve descartar outros problemas antes de considerar a terapia de testosterona como o primeiro tratamento. Talvez dormir mais, comer melhor, aumentar o exercício, descartar outro problema médico (depressão), melhorar a relação com a parceira, etc.
  • Medir o nível de testosterona em duas ocasiões (entre sete e dez horas da manhã) em dois dias diferentes. Antes de iniciar o tratamento, obtenha a opinião de um endocrinologista.
  • Não comece o tratamento com testosterona sem consultar o especialista se você teve um problema cardiovascular (ataque cardíaco, acidente vascular cerebral ou tem problemas cardíacos) ou se teve câncer de próstata ou com problemas de próstata ou não tem certeza.