Talvez você conheça a camomila como um remédio para problemas de estômago. Certamente alguma vez já tomou um chá para uma dor de estômago ou para relaxar ou talvez em uma pomada para a pele. No entanto, um remédio tão conhecido e difundido: que evidência científica tem sua eficiência para diferentes condições?

Comumente seu usa a camomila alemã ou romana, são os dois tipos mais conhecidos aos que também são atribuídas propriedades curativas. Seus efeitos são muitas vezes bastante semelhantes e (em ambas) de toda a planta a parte que se usa é sua flor (embora existam aqueles que também tratam o resto da planta para transformá-la em cremes ou em antisséptico bucal).

Geralmente é consumida no chá, mas também pode ser encontrada em cápsulas ou comprimidos.

Existem muitas aplicações para a camomila, para citar algumas estão: estresse, náuseas, dor menstrual, indigestão, problemas de estômago, vômitos, insônia e, inclusive, sinusite.

Externamente é aplicada em pomadas, óleos ou banhos para aliviar problemas de pele, dor, inflamação, irritação, eczema, mamilos rachados, dermatite, queimaduras, feridas, úlceras e até hemorroidas.

Leia também: “Camomila: Remédios Caseiros com Camomila“.

Usos Medicinais da Camomila

Também tem aplicações cosméticas, em fragrâncias e produtos que visam clarear o cabelo, cuidar da pele ou adicionar essas propriedades para cremes, pomadas, géis, shampoos e outros produtos de higiene e beleza.

Leia também: “Shampoo de Camomila – Shampoo Caseiro de Camomila“.

Mas, independentemente do seu uso tão estendido, tão conhecido e de tantos anos (podemos imaginar nossas avós nos dando chá de camomila para aliviar algum desconforto no estômago ou dos nervos, inclusive dando a bebês com problemas de refluxo, por exemplo), no entanto, a maioria dos estudos científicos não encontrou nenhuma evidência para comprovar a eficácia da camomila nestas condições e será necessário realizar estudos mais aprofundados.

Inclusive, existem ainda relatos que dizem que pode causar problemas de saúde, como reações alérgicas na pele, e até poderia gerar alergias mais graves que poderiam chegar a uma anafilaxia.

As reações alérgicas na pele são as mais comuns, mas também é preciso ter cuidado em seu uso oftálmico se você pensar em usá-la como colírio para os olhos. Há relatos que afirmam que poderia causar conjuntivite.

Se você já teve reações alérgicas a plantas da família da camomila (que podem ser margaridas ou crisântemos) evite o seu uso.

É muito comum encontrar a camomila em tratamentos de aroma terapia e é também muito comum que seja vista como uma planta muito segura por suas características suaves e porque é um remédio natural. Mas isso não é necessariamente verdade, porque existem poucos estudos sobre o assunto.

No caso dos recém-nascidos é ainda mais (uma vez que existem ainda menos estudos em bebês) e tem sido observado que neles a dermatite e o eczema são muito comuns quando os pais os expõem a sabões ou banhos que contém ervas, uma delas é justamente a camomila.

Isso não apenas acontece com os bebês, mas também com os adultos que têm a pele sensível. Assim, embora se costume receitar a camomila para tratar este tipo de problema de pele precisamente, as evidências apontam para resultados mistos e inconclusivos e poderia agravar as condições da pele. Tenha cuidado quando usar, e você deve estar atento no caso de desenvolver algum tipo de alergia, já que poderia ser pela camomila.

O Centro Nacional de Saúde Integral e Complementar, tem realizado alguns estudos e, segundo eles, a camomila poderia ser eficaz em algumas condições de pele como feridas na boca causadas pela quimioterapia e também poderia ajudar a aliviar alguns problemas de estômago, junto com outras ervas, como dores, diarreia ou cólicas em crianças, mas igualmente mencionam que é necessário mais investigação a este respeito para verificar a sua eficácia.

Se falarmos com um pouco mais de detalhes sobre o caso de problemas de estômago, sua eficácia em cólicas infantis também é limitada, e embora existam alguns estudos que têm relatado que sim os ajuda com esses sintomas, a eficácia costuma ser limitada e tem causado efeitos colaterais como perda de apetite e/ou prisão de ventre. E outros estudos não têm rendido resultados positivos. É necessário continuar as pesquisas para fazer uma recomendação firme para o uso da camomila para estas condições.

Alguns estudos sugerem que poderia ajudar a aliviar ligeiramente os sintomas na doença do refluxo gastroesofágico ou DRGE, mas até agora não existe nenhuma evidência de que pode realmente resolver o problema subjacente ou reverter os danos que poderia sofrer o esôfago, como a inflamação ou os problemas decorrentes do refluxo. Por isso, é importante consultar sempre o seu médico se o problema é recorrente.

Finalmente, no caso da ansiedade, o Centro Nacional de Saúde Integral e Complementar também realizou um estudo onde estudou um grupo de pessoas e descobriu que, em comparação com placebo, a camomila apresentou melhores resultados para aliviar alguns sintomas. O estudo sugere que a camomila pode ter alguns efeitos benéficos leves para reduzir a ansiedade em pessoas cujo problema seja leve ou moderado, mas precisam realizar estudos maiores por períodos mais longos. Além disso, disseram que não sabiam se diferentes compostos de camomila teriam distintos resultados. E é importante para padronizar as preparações.

Não é recomendada em mulheres grávidas porque tem havido relatos de abortos espontâneos, e tampouco é recomendada durante a amamentação, já que não se sabe bem como poderia afetar os bebês das mães que estão amamentando.

Quanto a interações de camomila, entre outras: poderia melhorar (ou seja, aumentar o efeito) de sonolência causada por alguns medicamentos, como benzodiazepinas (lorazepam, etc.); (narcóticos, como codeína, etc.); aumentar o tempo de sangramento dos anticoagulantes, como a varfarina, especialmente se você também tomar Gingko e alho.

Um chá de camomila, ocasionalmente, raramente faz mal a alguém, a menos que seja alérgico ou tenha interações, mas se consumida regularmente, especialmente em quantidades elevadas e/ou, se tomada com outros medicamentos, é importante consultar o seu médico. E, de preferência, não tome cápsulas de camomila sem consultar o seu médico, embora sejam naturais.