O wasabi é amplamente conhecido como um condimento muito picante do sushi que serve para realçar o sabor do peixe, mas uma recente descoberta pode tornar ainda mais popular, embora desta vez, como um produto para combater a queda de cabelo.

De acordo com o que divulgou Kirin, empresa líder em wasabi no Japão, a planta tem a capacidade de regenerar o cabelo humano. Especialistas descobriram que o wasabi possui dois componentes que estimulam o crescimento do cabelo: a isosaponarina e o 6-MSITC.

Esses compostos são capazes de estimular e despertar as células responsáveis pela formação do cabelo no couro cabeludo humano e reduzem a inflamação em torno dos folículos pilosos. Exercem uma ação três vezes mais eficaz do que o minoxidil, produto químico normalmente utilizado em produtos para o crescimento do cabelo.

Os folículos pilosos que entram em contato com o wasabi experimentam uma espécie de renovação. A isosaponarina estimula a produção de colágeno e em combinação com 6-MSITC, desencadeiam o desenvolvimento de proteínas que facilitam um maior acesso de nutrientes para as células ciliadas, o que resulta em cabelo mais grosso, forte e vigorizado.

Leia também: “Plasma Rico em Fatores de Crescimento Para o Tratamento de Alopecia“.

Wasabi Para a Queda de Cabelo: Nova Descoberta Contra a Alopecia

É importante destacar que para conseguir este efeito contra a calvície não é preciso comer wasabi (que alívio!), mas é preciso aplicar topicamente sobre a área a ser tratada. A isosaponarina se encontra nas folhas das plantas e o 6-MSITC na parte comestível.

Tampouco é aconselhável usar a pasta verde que é servida com os niguiris porque não está composta inteiramente por wasabi, mas cuja a elaboração foi misturada com oroshigane, e não se deve cair em falsa publicidade, já que nem todos os produtos “wasabi”, que são vendidos no mercado, o contém na realidade.

O wasabi que é comercializado nos supermercados não é 100% natural, mas um similar de pior qualidade, porque a raiz é cara e difícil de encontrar. Para ter segurança no que compramos, o melhor é recorrer as lojas especializadas.