À pancreatite é uma inflamação do pâncreas, um órgão importante para a digestão. Pode ser aguda, quando começa abruptamente, em geral com recuperação completa do paciente, ou crônica, lentamente progressiva e com uma lesão contínua e permanente do pâncreas.

A pancreatite aguda se produz quando o pâncreas fica inflamado de forma abrupta, mas posteriormente melhora. Os pacientes costumam, muitas vezes, se recuperar completamente da doença e quase 90% dos casos os sintomas desaparecem após uma semana de tratamento.

O pâncreas recupera sua estrutura e funcionamento normais após a cura. Depois de um ataque de pancreatite aguda, o tecido e as células do pâncreas se recuperam, enquanto que, na pancreatite crônica, a lesão do pâncreas ocorre lentamente, os sintomas podem ser persistentes ou esporádicos, mas a doença não desaparece, e o pâncreas é permanentemente afetado. A lesão tecidual faz com que as células funcionem de forma inadequada.

Existem várias causas de pancreatite aguda, sendo as mais frequentes a doença da vesícula biliar e o alcoolismo, responsáveis por mais de 80% de todas as internações.

Todas estas causas de pancreatite parecem ter um mecanismo semelhante. Em circunstâncias normais, muitas das enzimas extremamente potentes produzidas pelo pâncreas não estão ativas até entrarem no duodeno, onde o contato com determinados produtos químicos lhes permite funcionar.

Remédios Caseiros Para Pancreatite

Na pancreatite, algo permite que estas enzimas sejam ativadas prematuramente, de modo que começam a realizar suas funções digestivas no interior do pâncreas. Em essência, este órgão começa a digerir a si mesmo. É iniciado um ciclo de inflamação que inclui a perda de função. A digestão dos vasos sanguíneos no pâncreas dá lugar a hemorragias.

Outros produtos químicos pancreáticos ativos fazem com que os vasos sanguíneos percam líquido, que passa para a cavidade abdominal. As enzimas ativadas também alcançam a corrente sanguínea através dos vasos sanguíneos corroídos e começam a circular por todo o corpo.

A dor é o principal sintoma de pancreatite. Costuma ser intensa e contínua, localizada no quadrante superior direito do abdômen e, muitas vezes descrita como “maçante”. Também costuma se experimentar dor nas costas. A respiração se torna superficial, porque quando é profunda, causa mais dor, que consegue ser aliviada ao se levantar e se inclinar para frente. É frequente que existam náuseas e vômitos, além de distensão abdominal, febre discreta, aumento da frequência cardíaca e redução da pressão arterial.

Leia também: “Pancreatite: O Que É, Riscos, Remédios Caseiros E Recomendações“.

Os pacientes gravemente doentes podem mostrar sinais clássicos de choque, uma síndrome muito grave que ocorre quando a quantidade de líquido no sangue é muito baixa. Apresentam braços e pernas muito frios, uma perigosa queda da pressão arterial e um aumento da frequência cardíaca, assim como alterações do estado mental.

Em casos muito graves de pancreatite (pancreatite necrosante), o tecido pancreático morre e a hemorragia é abundante. Devido ao sangramento dentro do abdômen, os pacientes podem experimentar dois sintomas característicos: o sinal de Turner, que é o aparecimento de uma área de cor roxa púrpura ou verde marrom na área do flanco (entre as costelas e o osso do quadril), e o sinal de Cullen, que consiste em uma cor azulada ao redor do umbigo.

Uma complicação da pancreatite várias semanas após o início da doença é o pseudocisto pancreático. É produzida quando o tecido pancreático morto, sangue, glóbulos brancos, enzimas e líquido que foi extravasado para o sistema circulatório, se acumulam. Em uma tentativa de conter e organizar esta acumulação anormal, uma espécie de parede é formada a partir do tecido morto e do tecido cicatricial da área. Os pseudocistos produzem dor abdominal e exerce pressão deslocando o tecido pancreático, o que aumenta a lesão pancreática.

os pseudocistos também pressionam outras estruturas próximas do trato gastrointestinal, produzindo uma maior alteração da função. Coloca em perigo a vida quando se infecta (abscessos) e se rompe (a ruptura simples produz a morte em 14% dos casos, e a que se complica com hemorragia, em 60%).

O tecido pancreático é destruído progressivamente na pancreatite crônica, por isso muitas funções digestivas ficam alteradas. A quantidade de hormônios e enzimas normalmente produzidas pelo pâncreas começa a diminuir significativamente. Esta diminuição na produção de enzimas resulta na incapacidade para digerir adequadamente os alimentos, especialmente as gorduras. As fezes do paciente se tornam gordura, já que contêm lipídios não digeridos.

A incapacidade para digerir e utilizar as proteínas dá lugar a uma diminuição e enfraquecimento dos músculos. A incapacidade para digerir e utilizar os nutrientes dos alimentos conduz à desnutrição e a uma fraqueza generalizada. À medida que a doença evolui, a lesão permanente do pâncreas pode produzir diabetes.

O diagnóstico da pancreatite pode ser feito muito precocemente no decorrer da doença por meio da observação do aumento do número de enzimas pancreáticas que circulam no sangue (amilase e lípase). Mais tarde na doença e na pancreatite crônica, estes números de enzimas podem não estar tão elevados.

Leia também: “Pancreatite: 10 Alimentos Saudáveis Para Pancreatite“.

Devido a este fato, e ao fato de que o aumento da amilase e da lípase caracteriza também outras doenças, a descoberta destas alterações é útil, mas não definitiva para o diagnóstico de pancreatite.

Outras doenças do sangue podem também apontar para a pancreatite, como um aumento nos glóbulos brancos (que se deve a inflamação ou infecção), alterações devido à desidratação por perda de líquidos e anormalidades na concentração sanguínea de cálcio, de magnésio, de sódio, de potássio, de bicarbonato de sódio e de açúcares.

Devido ao exposto, é importante notar que a pancreatite é uma doença grave que requer tratamento e diagnóstico médico. No entanto, alguns remédios caseiros e naturais podem ajudar a completar tal tratamento sempre sob supervisão médica.

Remédios Caseiros Para Pancreatite:

  • Ferva 1 colher de sopa de folhas de trevo d’água e outra de rizoma de grama das boticas, previamente lavadas e picadas, em meio litro de água por 10 minutos. Cubra e deixe esfriar. Coe e tome ao longo do dia.
  • Despeje 1 colher de sopa de cardo mariano em uma xícara de água que está fervendo. Cubra e deixe esfriar. Coe e beba 2 xícaras por dia.
  • Elabore um suco que inclua laranja, tangerina e gengibre picado com um pouco de água. Este suco é rico em vitamina C, o que ajuda a desinflamar o pâncreas.
  • Elabore um suco para desinflamar que inclua 1 colher de sopa de gel de aloe vera e uma fatia de mamão. Tome uma vez por dia.

Recomendações:

• Participar de terapias de acupuntura ou de técnicas de relaxamento, já que ajudam as pessoas a enfrentar os sintomas dolorosos associados à pancreatite. É possível reduzir o estresse mediante meditação, ioga, tai chi ou outras técnicas de relaxamento. O estresse favorece os ataques de pancreatite.

• Beba muita água. Evite o consumo de alimentos ricos em gorduras saturadas e açúcares.

• Não fumar. Evite o álcool, já que é basicamente a única causa evitável de pancreatite. Os pacientes com pancreatite crônica devem parar de beber completamente o álcool e evitar os fármacos que podem causá-la.