A prímula é uma planta bienal nativa da América do Norte que se espalhou para a Europa no século XVII e logo foi conhecida no resto do mundo.

A prímula atinge até 1,5 m de altura, tem uma grossa raiz principal amarela e uma roseta de folhas na base das quais surgem os talos florais.

Suas folhas são estreitas e de uma intensa cor verde escuro. Quanto as suas flores, estas se agrupam em ramos amarelos e se abrem à noite para atrair as mariposas noturnas.

Por essa razão, a prímula é também conhecida pelos nomes de estrela da noite e prímula noturna. Depois de algum tempo, as flores são substituídas por vagens peludas cheias de sementes de cor avermelhada.

Esta planta é muito resistente e prospera na maioria dos solos, embora prefira os lugares ensolarados e quentes.

Foi utilizada medicinalmente por várias tribos de índios americanos, entre elas Blackfoot, gosiutes, ilhotas, Navajo, keyentas e Hopi.

A usavam para preparar cataplasmas úmidos ou secos para tratar feridas, inchaços e feridas inflamadas e acelerar a cicatrização. Também a utilizavam para combater o prolapso uterino e dores de dente.

Propriedades Curativas da Prímula:

Em um princípio, as folhas de prímula eram consumidas em saladas e suas raízes utilizadas para a elaboração de remédios naturais, especialmente a fim de aliviar hemorroidas.

Remédios Com Óleo de Prímula

No entanto, no início dos anos oitenta do século passado, foi possível detectar o grande potencial curativo que tem as sementes de prímula, já que possuem quantidades significativas de ácido gama-linolênico (AGL).

Este composto tem um efeito significativo sobre os níveis de prostaglandinas (substâncias semelhantes a hormônios) e, portanto, sobre o equilíbrio hormonal. Em outras palavras, a semente tem propriedades de compensação hormonal.

Por isso, suas sementes são prensadas para extrair o óleo, o qual é amplamente utilizado em cápsulas, a fim de combater a síndrome pré-menstrual, as cólicas menstruais, e os sintomas da menopausa.

Leia também: “Óleo de Prímula Para a Síndrome Pré-Menstrual“.

Da mesma forma, foi possível determinar que a prímula reduz o colesterol. De acordo com estudos recentes, seu óleo pode chegar a reduzir até 20% do nível de colesterol no sangue, o que é comparável aos resultados obtidos por fármacos comumente prescritos, mas sem o risco de toxicidade. Além disso, não reduz os níveis de colesterol se o nível da pessoa já é normal ou baixo. Quanto às inflamações, tem-se observado que este óleo combate eficazmente doenças como o reumatismo e artrite.

No entanto, neste caso, é recomendado que seja tomada em combinação com os ácidos graxos ômega-3, que se encontram no óleo de peixe ou de linhaça.

Inclusive têm sido realizadas investigações recentes, onde se determinou uma relação entre os ácidos graxos essenciais, como os que contêm as sementes de prímula e ômega-3 e o alívio de transtornos como hiperatividade e déficit de atenção, já que se acredita que algumas destas crianças têm deficiências nesses ácidos graxos.

Também é usado de forma externa para aliviar a coceira do eczema e a irritação da pele e, inclusive, consegue diminuir a necessidade de utilizar cremes que contenham esteroides e outros medicamentos.

No mundo da beleza natural, seu óleo é adicionado em máscaras para pele seca e irritada e com rugas prematuras.

Recentemente, têm sido realizadas várias investigações promissoras em seus resultados a respeito de diferentes doenças, como esclerose múltipla, esquizofrenia, alcoolismo, anorexia, doença de Parkinson, entre outras.

Remédios Caseiros com Prímula:

Remédio com prímula para rugas prematuras e sobre a pele do pescoço: Quebre uma cápsula de óleo de prímula e coloque, diariamente, um pouco deste líquido sobre estas áreas.

Remédio com prímula para dor de reumatismo ou artrite: Ferva um punhado de sementes de prímula em meio litro de água durante 10 minutos. Em seguida, introduza um pano de algodão seco e molhe-o com esta preparação. Torça e aplique, ainda quente, sobre a parte afetada.

Remédio com prímula para hemorroidas externas: Ferva um pedaço de raiz de prímula em uma xícara de água durante 5 minutos. Retire do fogo e deixe esfriar. Uma vez frio, embeba um pano de algodão com esta preparação e aplique sobre a área afetada.

Remédio com prímula para vitiligo: Tome uma cápsula de óleo de prímula em concentrações de 500 mg por cápsula de gelatina macia diariamente, as quais podem ser compradas em farmácias botânicas. É considerado um dos melhores remédios para vitiligo.

Leia também: “Vitiligo: Tratamento Para Unificar a Cor da Pele“.

Remédio com prímula para entorses e estiramentos musculares: Extraia o conteúdo de 10 pérolas de óleo de prímula de 500 mg cada uma e misture 5 gotas de óleo essencial de alecrim e 5 gotas de óleo essencial de gengibre. Aplique, mediante uma massagem, imediatamente após a preparação.

Remédio com prímula para apneia do sono: Inale algumas gotas de óleo de prímula antes de dormir. Repita este remédio uma vez por dia à noite O óleo de prímula é considerado um dos grandes remédios caseiros para a apneia do sono tanto em crianças como em adultos, graças às suas propriedades anti-inflamatórias, que ajudam a tratar a inflamação na garganta e no trato respiratório, que podem causar este transtorno.

Recomendações:

  • Compre óleo de prímula primeira pressão. Em lojas de produtos naturais e farmácias vendem óleo de prímula, geralmente comercializado em pérolas transparentes.
  • A maioria das marcas o complementa com um suplemento de vitamina E, mas a concentração varia. Por essa razão, é necessário olhar o rótulo para verificar os miligramas e se o óleo é de primeira pressão a frio, o qual é o melhor.

Precauções: O óleo de prímula não tem efeitos secundários para a maioria das pessoas. No entanto, existem algumas que podem sofrer de dores de cabeça, distúrbios estomacais leves ou leve dor abdominal.

No caso das mulheres grávidas ou mães amamentando, não é aconselhável usar, já que requer mais resultados das investigações. Devido ao fato de que o óleo de prímula pode atrasar a formação de coágulos sanguíneos, não deve ser tomado com outros medicamentos anticoagulantes, já que poderia aumentar as probabilidades de hematomas e hemorragia.