Fumar durante a gravidez prejudica gravemente a saúde dos filhos podendo causar infertilidade no futuro da criança. Isso só pode ser comprovado através de estudos que buscavam descobrir a fundo qual o impacto dos cigarros sobre a saúde dos bebês.

As mães que fumam mais de dez cigarros por dia durante a gravidez afetam diretamente a saúde dos seus filhos, e pode causar alguma redução na concentração de espermatozoides de 20%-48% em comparação com indivíduos não expostos, se masculino, e um estoque limitado de óvulos e sub-fertilidade entre descendentes do sexo feminino.

Leia também: “Dez Passos Para Deixar de Fumar na Gravidez“.

As mutações no esperma podem ser transmitidas aos descendentes, como alterações permanentes e irreversíveis na composição genética e pode persistir em gerações futuras. As consequências do tabagismo ultrapassam seus descendentes fumantes, passando de geração à geração esse mal.

Historicamente falando, essa explicação pode muito bem esclarecer sobre as infertilidades ocorridas em séculos à atrás, onde somente o homem fumava. Pois apesar da mulher não utilizar do tabaco diretamente, tinha contato com a fumaça do cigarro pelo marido fumante, o que era muito pior, pois além das substâncias tóxicas, continham as impurezas e o gás carbônico da pessoa.

Fumar na Gravidez Pode Causar Infertilidade no Bebê

O artigo discute o impacto do tabagismo dos pais sobre a saúde das crianças nos últimos 20 anos e mostra que a exposição pré-natal ao tabaco está associada a uma elevada incidência de defeitos de nascimento, bem como transtornos de obesidade, hiperatividade e comportamentais.

Enquanto que o cigarro é totalmente contra-indicado em qualquer momento durante a gestação, o período mais crítico é concentrado no segundo e terceiro trimestre, quando vai ocorrer o desenvolvimento neuronal dos bebês. Estudos realizados em grupos de crianças de 10 anos mostraram que os pequenos cujas mães fumaram durante este período gestacional sofrem de irritabilidade, desatenção e menor resposta a estímulos auditivos e atraso de linguagem em comparação com as outras crianças não expostas ao cigarro em sua fase pré-natal.

Nesta situação, as mulheres grávidas e casais em idade reprodutiva devem abster-se de fumar e expor-se à nicotina evitando riscos fatais para a saúde dos descendentes além da deterioração em curto prazo da função da placenta. A criança pode já nascer com problemas respiratórios, além de ocasionar possivelmente a má formação fetal.