A prolactina é um dos vários hormônios que são produzidos pela glândula pituitária, e quando se apresenta um valor maior do que o normal estamos falando de um caso de hiperprolactinemia.

A secreção de prolactina tem um ritmo circadiano, ou seja, apresenta um nível mais elevado durante o sono pela noite e mais baixo no meio do dia.

A principal função normal deste hormônio é durante e após a gravidez. Quando uma mulher está gestando se secreta em grandes quantidades para garantir o aleitamento materno após o nascimento, e continua a sua produção durante a amamentação.

A prolactina é responsável pela ausência do período menstrual durante a gravidez e vários meses após o parto.

Sintomas da Hiperprolactinemia (Prolactina Elevada)

Quando acontece um elevado nível de prolactina podem aparecer alterações como irregularidades menstruais, falta de menstruação, infertilidade, secreção nas mamas, diminuição da libido e alterações de humor.

Quando a hiperprolactinemia não é controlada, as mulheres que sofrem podem apresentar uma diminuição na densidade óssea, osteopenia ou osteoporose.

Os homens também podem sofrer com esta condição, apenas em muito menor medida, e os sintomas característicos são diminuição da libido e disfunção erétil.

Hiperprolactinemia: Prolactina Elevada Provoca Infertilidade

A hiperprolactinemia pode ser em si um sintoma de outro problema, tal como um tumor da pituitária, o qual também provoca dores de cabeça e problemas visuais.

Causas de Hiperprolactinemia

Quando ocorre um caso de prolactina elevada os médicos realizam uma série de testes para descobrir a origem da doença. As causas da hiperprolactinemia podem ser:

  • Estresse.
  • Estimulação das mamas.
  • Relações sexuais antes de fazer o exame de sangue.
  • Gravidez.
  • Hipotireoidismo.
  • Anticoncepcionais orais.
  • Remédios como a metoclopramida, domperidona, verapamil, metildopa, reserpina, cimetidina (intravenosa), narcóticos, muitos antidepressivos e medicamentos anti-psicóticos.
  • Doença hepática.
  • Insuficiência renal.
  • Dor na parede torácica.
  • Lesões da medula espinhal.
  • Tumor da hipófise.
  • Acromegalia.
  • Doença de Cushing.
  • Metástases tumorais.
  • Tuberculose.
  • Hemocromatose.
  • Meningioma.
  • Traumatismo craniano.

Valores de Prolactina no Sangue

• Em mulheres não grávidas varia entre 4 a 23 nanogramas por mililitro (ng/ml) ou 4 a 23 microgramas por litro (mcg/L).

• Em homens é cerca de 3-15 ng/ml ou 3-15 mcg/L.

• Nas mulheres grávidas é entre 34-386 ng/ml ou 34-386 mcg/L.

• No caso de crianças é de 3,2-20 ng/ml ou 3,2-20 mcg/L.

Quando os valores de prolactina são excessivamente elevados (acima de 200 ng/ml), isto pode ser um claro indício de um tumor na glândula pituitária, já que quanto maior é o nível de prolactina existe mais probabilidade de desenvolver essa condição.

Nestes casos, o médico pode recomendar um exame de ressonância magnética para confirmar se um tumor na hipófise está presente, mas de qualquer forma, este estudo se realiza em todos os casos de prolactina elevada onde existe uma prévia suspeita de um tumor na hipófise.