Talvez seja o último tema do qual queira conversar com suas amigas, seus familiares ou seu médico. Mas o fluxo vaginal é algo normal para as mulheres e merece sua atenção, porque quando muda, é um indicador de que algo pode não estar bem. Tome nota sobre o que pode mudar o fluxo vaginal e quando você deve ir ao médico.

Quando se inicia a puberdade, é normal ter certa quantidade de fluxo vaginal, ou seja, secreções provenientes da vagina. Na verdade, é possível notá-los entre 6 meses a um ano antes do início do período menstrual. Isto se deve a alterações hormonais. No colo do útero se encontram algumas glândulas que produzem um muco transparente que pode ficar branco ou amarelado quando sai do corpo ao entrar em contato com o ar. Este fluxo ajuda a manter lubrificada e limpa a sua vagina. O fluxo vaginal normal não cheira nada e é uma parte natural de ser mulher.

Ao longo do seu ciclo menstrual, a quantidade e a consistência do fluxo vaginal varia de acordo com seus níveis hormonais, ou seja, por exemplo, de quanto estrogênio circula pelo seu corpo. Você também pode notar mudanças no fluxo vaginal que são normais devido a fatores como:

  • Ovulação
  • Excitação sexual
  • Gravidez
    O Que Você deve Saber sobre o Fluxo Vaginal
  • Estresse

Leia também: “Fluxo Vaginal: 5 Dicas Para Controlá-lo“.

Existe o Fluxo Vaginal Anormal?

Sim. Para que você possa entender melhor, deve estar ciente de três aspectos nos quais as secreções vaginais podem apresentar mudanças e que te dão sinais que sugerem que poderia haver algum problema:

  • Cor: transparente, branco, turvo, amarelo, verde.
  • Consistência: grossa, pastosa, líquida.
  • Odor: normal, sem cheiro, mau cheiro.

O que Acontece quando há Alterações no Fluxo Vaginal?

Se você perceber que, de repente, o fluxo vaginal normal aumenta significativamente (e você saberá o que é normal para você, porque cada mulher é diferente) ou altera de consistência, de cheiro ou de cor, pode ser que tenha algum tipo de infecção.

As causas mais comuns de fluxo vaginal anormal são as seguintes. Tome nota:

  • Vaginose bacteriana: se produz quando as bactérias que vivem normalmente na vagina aumentam (se reproduzem em excesso), o que faz com que as secreções da sua vagina se tornem cinzas e com um cheiro semelhante ao dos peixes.
  • Doenças sexualmente transmissíveis, como clamídia, gonorreia, tricomoníase e outras.
  • Esquecer algum objeto dentro da vagina (como um tampão, por exemplo).
  • Câncer de colo do útero ou câncer da vagina.
  • Vulvo-vaginite infecciosa.
  • Vaginite atrófica (em mulheres após a menopausa ou quando os níveis de estrogênio estão baixos).

Mas além de estar ciente das mudanças do fluxo vaginal, você também deve prestar atenção a certos sintomas e agir de acordo com certas circunstâncias. Você deve consultar o seu médico se:

  • Além das alterações no fluxo vaginal, você tem dor abdominal ou pélvica, ou se tem febre.
  • Você tem dúvidas sobre se poderia ter contraído uma doença sexualmente transmissível (DST) ou tem certeza de ter estado exposta a um companheiro sexual infectado com uma doença venérea (DST).
  • Você tem bolhas na vagina ou na vulva.
  • Arde ou dói ao urinar.
  • Os sintomas pioram ou duram mais de uma semana.

O fluxo vaginal não é normal em uma menina que ainda não chegou a puberdade. Se ocorrer, é importante entrar em contato com o médico.

Leia também: “Infecção Vaginal: Alimentos Recomendados para Prevenir Corrimentos“.

Como é Possível evitar Mudanças no Fluxo Vaginal?

Agora que você tem mais informações sobre o fluxo vaginal, você se perguntará o que pode fazer para evitar que mude e te cause problemas.
Estatisticamente, a maioria das mulheres terá uma infecção vaginal em algum momento da sua vida. No entanto, como as causas das infecções vaginais que alteram o fluxo são diversas, há medidas que você pode tomar para preveni-las:

  • Mantenha seus órgãos genitais limpos e secos. A higiene sempre contribui para uma boa saúde.
  • Não use duchas vaginais nem sabonetes perfumados. Tampouco aplique aerossóis, perfumes ou talcos na área genital.
  • Use sempre um preservativo para ter relações sexuais.
  • Evite usar calças apertadas. Certifique-se de que sua roupa íntima é feita de algodão para facilitar que o ar flua livremente e evitar a transpiração excessiva que atrai bactérias e provoca irritação.
  • Se você tem diabetes, tente controlar seus níveis de açúcar no sangue. Lembre-se de que as mulheres diabéticas são mais propensas a sofrer infecções vaginais por fungos.

Uma nota final que você não deve esquecer: se quando seu médico diz que as as alterações no fluxo vaginal se devem a uma doença sexualmente transmissível (DST), você deve informar seu ou seus parceiros sexuais para que recebam tratamento, embora não tenha sintomas, não apenas para que não transmita a doença novamente, mas para que não transmita para outras pessoas. E outra coisa importante, um fluxo vaginal anormal não deve ser negligenciado, existem doenças sexualmente transmissíveis (DST) que, se não tratadas, podem não apenas causar sérios problemas de saúde, mas também causar infertilidade.